Entrevista com Pierre Lévy – Inteligência coletiva digital: os primórdios de uma revolução antropológica?

No dia 03 de dezembro, realizamos a última entrevista internacional do Ciclo de Humanidades 2020, feita no contexto do nosso encontro “Bem vindos à humanidade digital?”. O entrevistado foi Pierre Lévy, que é um sociólogo, filósofo e pesquisador em ciências da informação e comunicação (CIS) que investiga desde finais dos anos 1980 o impacto da Internet sobre a sociedade, o conhecimento, a inteligência e a cultura.

Com grande satisfação, publicamos hoje esta entrevista com legendas em português. A entrevista pode ser assistida no canal do Escritório do Livro. Nestes 40 minutos de agradável diálogo, temos a possibilidade de conhecer o itinerário de pensamento de Pierre Lévy e, ao mesmo tempo, refletir sobre a natureza e as potencialidades da digitalização do mundo.

Em conjugação com esta entrevista, traremos amanhã no site do Ateliê de Humanidades um Pontos de Leitura (https://ateliedehumanidades.com/category/pontos-de-leitura/) que apresenta quem é Pierre Lévy e expõe sua bibliografia com comentários. Publicaremos também, em seguida, no Fios do Tempo, um artigo do autor inédito em português.

No início de 2021 trataremos na mesma dinâmica, quinzenalmente, as demais entrevistas legendadas em português do Ciclo de Humanidades 2020, com Serge Paugam, Jean-Louis Laville, Françoise Vergès, Jean-Yves camus e François Dubet. Nos acompanhe 😉

Perguntas

1. Vamos começar falando um pouco sobre sua trajetória de pesquisa e seus interlocutores intelectuais. De fato, a tradição francesa sobre técnicas e tecnologia é uma das mais fecundas do século, reunindo autores como Marcel Mauss, André Leroi-Gourhan, Michel Serres, Gilles Deleuze, Félix Guattari, Gilbert Simondon, Régis Debray, Bernard Stiegler etc. Creio que você é um dos representantes legítimos desta tradição, tendo também passagens inesperadas na tradição filosófica medieval e obras de autores singulares como Teilhard de Chardin. Antes de mais nada, você pode nos dizer onde você se situa? E como as tradições de pensamento se traduzem em pesquisas pioneiras sobre o impacto da Internet e da cibercultura no conhecimento, no pensamento, na cultura e na democracia?

2. Já na transição dos anos 80 para os anos 90, você acompanhou a ascensão da Internet, da cultura digital e do ciberespaço e seus efeitos no pensamento, tendo publicado trabalhos como A máquina universo (1987), Tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era digital (1990), Ideografia dinâmica: rumo a uma imaginação artificial?(1992) e Inteligência Coletiva: Para uma Antropologia do Ciberespaço (1994). Um conceito inicial, que será central para todo o seu trabalho, é o de “inteligência coletiva”. Você poderia nos dizer o que é “inteligência coletiva” e como ela evoluiu até a nossa chegada na era do meio e médium algorítmico?

3. Eu o considero um pensador otimista e propositivo. Seus trabalhos expressam as promessas de emancipação humana e a democratização do conhecimento e da cultura que estão na origem da Internet e da cibercultura. De fato, muito aconteceu nos 30 anos que você acompanhou de perto. Hoje, prevalece um clima de desencanto geral, com grande atenção aos efeitos perniciosos da Internet e das redes sociais sobre a cultura, a esfera pública e a democracia. Hoje, quando se trata do futuro digital do ser humano e da sociedade, somos imediatamente remetidos a fake news e populismos, à ciberguerra e à hipervigilância, à fragmentação cultural e a linchamentos virtuais, ao desemprego em massa e ao desapossamento da inteligência, à mercantilização da informação e à hiperconcentração corporativa, etc. Bem, você, que é um intérprete de uma cibercultura prometida à ciberdemocracia, que a vê prometida a uma inteligência coletiva ampliada, reflexiva e democratizada, como você interpreta este processo?

4. Acredito que tudo isso nos leva a propostas concretas para o desenvolvimento de plataformas e ferramentas que tornem possível uma inteligência coletiva democrática. Nos últimos anos, você tem se dedicado à criação de uma Meta-Linguagem de Economia da Informação (IEML). É verdade que há muitos detalhes técnicos nos quais não podemos entrar em detalhes. Entretanto, você poderia nos dizer quais são os objetivos do projeto e em que estágio ele se encontra? E também poderia nos fazer entender a importância da metalinguagem e da semântica para a constituição de um bom ecossistema de ideias?

5. Para concluir, acredito que chegamos a uma confluência entre o surgimento da “humanidade digital” e a urgência das “humanidades digitais”. Em outras palavras, a digitalização dos processos cognitivos e sociais está nos trazendo uma revolução na produção do conhecimento nas ciências humanas. Qual seria essa forma de conhecimento, chamada por muitos de “humanidades digitais”? Como elas se relacionariam com os objetivos do pensamento crítico autônomo e ético, bem como com os objetivos de uma cultura criativa e democrática?


Ciclo de Humanidades 2022 – Além da crítica e indignação: ideias para renovar a democracia
Nos primeiros encontros do Ciclo de Humanidades 2020, refletimos sobre a crise …
Ciclo de Humanidades 2022 – Criticar, resistir, governar: refazer a política na era da desconfiança – com Alessandra Maia, Diogo Cunha e Felipe Maia
Após tratar dos populismos, aprofundaremos nosso debate sobre as democracias explorando um …
Ciclo de Humanidades 2022 – A democracia polarizada: navegando no século do populismo – com Pierre Rosanvallon, Christian Lynch e Tatiana Roque
Pelos vários cantos do mundo, as democracias estão em crise e se …
Ciclo de Humanidades 2022. A hora da democracia!? / No tempo do sensível
O Ciclo de Humanidades é realizado desde 2019 pelo Ateliê de Humanidades, …
A sabedoria importa: como aprender a viver/morrer? – Entrevista com André Comte-Sponville
Publicamos hoje, com legendas em português, a entrevista do filósofo francês André …
Trans-humano, demasiado humano? – Entrevista Jean-Michel Besnier
Publicamos hoje, com legendas em português, a entrevista do filósofo francês Jean-Michel …
O que nos dizem os animais? – Entrevista com Dominique Lestel
Publicamos hoje, com legendas em português, a entrevista do filósofo francês Dominique …
Ciclo de Humanidades. Entrevista com Séverine Kodjo-Grandvaux. Quais mundos filosóficos a África produz?
No contexto do encontro "Outros mundos sempre existiram: confluências afro-indígenas", no Ciclo …
Ciclo de Humanidades 2021. Sabedoria importa: como aprender a viver/morrer?
Proposta Como recompor os fios da vida sem um tanto de sabedoria? …
Ciclo de Humanidades. Entrevista com Jaider Esbell – Arte indígena contemporânea: modos de fazer, potências do ser
Desde o dia 02 de novembro, Jaider Esbell, artista indígena contemporâneo, muldimídia …
Ciclo de Humanidades 2021. O espírito humano: somos algo além de um corpo com cérebro?
Proposta Com o desenvolvimento das neurociências, das ciências cognitivas, da inteligência artificial …
Ciclo de Humanidades 2021. Trans-humano, demasiado humano
Proposta O desenvolvimento tecnológico nos faz refletir sobre o que somos nós, …
Que nous disent les animaux ? – Grand entretien avec Dominique Lestel
No contexto do quinto encontro do Ciclo de Humanidades "O que nos …
Ciclo de Humanidades 2021. O que nos dizem os animais?
Proposta O que é o ser humano? Na tradição ocidental, a definição …
Ciclo de Humanidades 2021. Outros mundos sempre existiram: confluências afro-indígenas
Proposta Nem sempre precisamos parir utopias do zero e, tal como titãs, …
Entrevista com Frédéric Worms. O que é a vida – com A. Magnelli e Caio Souto
Publicamos hoje a entrevista legendada em português do filósofo francês Frédéric Worms …
Entrevista com Nathalie Heinich. O que pode a arte?
Publicamos hoje a entrevista legendada em português da socióloga francesa Nathalie Heinich, …
Ciclo de Humanidades 2021. Imaginar é preciso
Proposta Neste encontro, refletiremos sobre a importância da imaginação humana para compreender …
Ciclo de Humanidades 2021. O que pode a arte? Como a arte se relaciona com a vida?
Proposta Nas sociedades modernas, boa parte da nossa compreensão da arte se …
Ciclo de Humanidades 2021. E a vida, o que é? Um diálogo entre mitologia, filosofia e ciência
Proposta “Lembra-te que tu és vivo” (Edgar Morin) Gonzaguinha nos interpelava em …


Entrevistas do Ciclo de Humanidades



Últimos Posts

Um comentário em “Entrevista com Pierre Lévy – Inteligência coletiva digital: os primórdios de uma revolução antropológica?

Adicione o seu

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: