Cadernos do Ateliê

Os Cadernos do Ateliê

O Cadernos do Ateliê é uma publicação eletrônica seriada e não-periódica do Ateliê de Humanidades – espaço de livre estudo, pesquisa, escrita e formação, voltada a apresentar ao grande público dossiês temáticos, artigos, ensaios, revisões bibliográficas e traduções, que resultam das atividades de estudo e pesquisa do Instituto.

Publicações

Série “Incertezas da Inteligência Artificial”, por André Magnelli, Renato Magnelli, Maryalua Meyer e Rafael Damasceno

Série de ensaios apresentação e reflexão crítica sobre relatório The Malicious Use of Artificial Intelligence: Forecasting, Prevention, and Mitigation em torno dos potenciais usos maliciosos das IAs com ameaças à segurança digital, física e política, escrita pelo “Tecnociências & Sociedades: Interflúvios e Porvires da Máquina, da Vida e do (Pós-)Humano”. É publicada em parceria com o Blog do Sociofilo.

Fascículo 1. Cenários hipotéticos de uma ciberguerra em ação  PDF

Fascículo 2. A guerra inteligente potencializada PDF

Fascículo 3. A cibernética política sob a ação de autômatos inteligentes

Fascículo 4. Os ciber-riscos e os porvires da governança

Série “A História Antropológica de um Ponto de Vista Tecnológico Ensaios de Antropologias das Técnicas e dos Objetos Técnicos”, por André Magnelli, Maryalua Meyer e Rafael Damasceno

Série com objetivo de disponibilizar ensaios de antropologia das tecnologias. Ela se propõe a publicar, principalmente, traduções de textos clássicos da história da antropologia (e de suas ciências irmãs, como a arqueologia e a etologia) que tenham assumido uma posição do “ponto de vista tecnológico”. Mas pretende trazer também ensaios contemporâneos que trabalham com uma abordagem antropológica das técnicas, dos objetos técnicos e das tecnologias. É publicada em parceria com o Blog do Sociofilo.

Fascículo 1. As Técnicas e a Tecnologia, por Marcel Mauss (tradução e apresentação de André Magnelli) PDF

Série “Arte contemporânea”

A arte contemporânea desperta paixões opondo detratores e defensores. Ela teve lugar cativo entre os diagnósticos de crises e os anúncios de fins das últimas décadas. Filósofos, sociólogos, antropólogos, estetas, críticos e profissionais de arte envidaram esforços para interpretá-la e, mesmo, para estabelecer novos parâmetros para julgar o que é a arte e uma obra de arte. O que é, afinal, a arte e o que há de arte contemporânea?

Sendo uma produção do Plano “Estética, Artes e Afetos” publicada no Cadernos do Ateliê, esta série se propõe trazer textos, de cunho teórico e empírico, sobre arte contemporânea e artistas, obras de arte e movimentos artísticos atuais.

Fascículo 1. A Arte Contemporânea, um dever de radicalização. Reflexões em torno de Nathalie Heinich, por André Magnelli & Liz Ribeiro  PDF

 

 

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: