Ética Complexa: religar o mundo, assumir o humano (evento gratuito)

O Ateliê de Humanidades propõe, no primeiro dia do Ciclo de Humanidades: ideias e debates em filosofia e ciência sociais, a ser realizado mensalmente nas Quintas da Maison, um debate sobre a ética complexa, tendo por referência o pensamento de Edgar Morin, em especial, o tomo VI de sua obra maior, O Método (que teve publicação em português com apoio do Consulado da França e do Instituto francês do Brasil).

Post Destacado

O Ateliê de Humanidades realizará o Ciclo de Humanidades: ideias e debates em filosofia e ciência sociais, a ocorrer mensalmente ao longo de 2019 na BiblioMaison (biblioteca do Consulado da França no Rio de Janeiro) como parte das Quintas da Maison. Em nosso Ciclo, buscaremos articular as reflexões críticas e os diagnóstico de crise com uma atitude propositiva, disposta a pensar as reformas possíveis de serem feitas e as metamorfoses generativas em curso.

Post Destacado

Pontos de leitura: o viver poeticamente e a efêmera beleza do mundo, por Edgar Morin

Viver de prosa é apenas sobreviver. Viver é viver poeticamente. O estado poético é um estado de participação, comunhão, fervor, festa, amizade, amor que inflama e transfigura a vida. Ele faz viver o grande fogo na consumação (Bataille), e não no pequeno fogo do consumo. O estado poético traz em si a qualidade da vida,... Continuar Lendo →

O presidente e a imprensa, por Carlos Alberto Rabaça

A relação entre o presidente Bolsonaro e os meios de comunicação tem sido carregada de paixões. O paroxismo do amadorismo político se apresenta nas manifestações lamentáveis a respeito daqueles que zelam pelo direito à informação e à transparência da coisa pública. E o motivo é evidente: a imprensa investiga, analisa e divulga atitudes do Governo... Continuar Lendo →

Pontos de leitura: a luta fundamental pela autocrítica, por Edgar Morin

A luta fundamental da autocrítica é contra a autojustificação. Por todo lado e sem cessar, funciona a máquina cerebral de se inocentar, de se legitimar e de fazer uma estátua de si mesmo. A vida cotidiana e a vida pública são feitas de autojustificações que se chocam cegamente umas com as outras. E quando a... Continuar Lendo →

Mais Oswald, menos Ernesto. Mais Brasil, menos Pátria

Por Sebastião Lindoberg da S. Campos Em março de 1924 Oswald de Andrade afirma no manifesto Poesia Pau-Brasil que o “carnaval do Rio de Janeiro é o acontecimento religioso da raça”. De fato o carnaval é a manifestação mais genuína daquilo que podemos chamar de brasilidade. Mas o que é brasilidade? Essa busca de entendimento... Continuar Lendo →

Pontos de leitura: recomendação de “Solidariedade e organização: pensar uma outra gestão”, livro de Philippe Eynaud e Genauto Carvalho de França Filho

No jornal francês Le Monde, no último dia 28 de fevereiro, saiu o  artigo de Margherita Nasi sobre o excelente livro Solidarité et organisation: penser une autre gestion, escrito por Genauto Carvalho de França Filho (Escola de Administração da UFBA) e Philippe Eynaud (IAE Paris-Sorbonne Business School), publicado recentemente na França pela Éditions erès (2019).... Continuar Lendo →

Naufrágio de uma chancelaria rumo à pátria perdida

Por André Magnelli

O mundo de Ernesto Fraga naufraga. Basta saber se o Brasil se deixará imergir sob as águas turvas de uma tormenta ou se descobrirá nela apenas uma marolinha.

A nomeação do chanceler para o Ministério havia acendido um alerta para aqueles que reconheceram a tradição de pensamento por detrás das suas ideias: o velho anti-iluminismo, que esteve na origem dos fascismos do século XX. Conhecendo o “espírito” de sua reforma no MRE, não ficamos surpresos pelo atual clima de caça às bruxas, nem tampouco pela demissão do diplomata Paulo Roberto de Almeida da presidência do IPRI. O que explica que um diplomata marginalizado pelos governos do PT e de convicções liberais, com livro sobre nada menos do que Roberto Campos, seja defenestrado por ter postado textos críticos sobre a política exterior no seu Blog?

Pontos de leitura: a amizade como o maior dos bens (1), por Aristóteles

De fato, [a amizade] é uma certa excelência, ou algo de estreitamente ligado à excelência; além disso, é do que mais necessário há para a vida. Pois ninguém há de querer viver sem amigos, mesmo tendo todos os restantes bens. E até os ricos, os que têm posição e poder, têm uma necessidade extrema de... Continuar Lendo →

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: