Ciclo de Humanidades Virtual. Metamorfoses da colonialidade: Pensar o capitalismo na era das incertezas

O Ciclo de Humanidades iria começar no dia 26 de março com o tema A cidade porvir, pensar as crises de hoje, construir as vias do amanhã, com participação de Vivian Blaso e Sydney Cincotto Jr. Com a pandemia, adiamos este Ciclo para que seja feito quando passar a fase do isolamento social e nossas cidades puderem ser novamente ocupadas, com segurança, liberdade e convivialidade.

Mas enquanto isso, nosso Ciclo de Humanidades inicia na forma digital e virtual. No dia 07 de maio (quinta-feira), recomeçamos com um tema fundamental para os nossos tempos de coronavírus: “Metamorfoses da colonialidade: pensar o capitalismo na era das incertezas”, com participação de Paulo Henrique Martins (UFPE) e Ricardo Regatieri (UFBA). Aproveitaremos para lançar os livros Teoria crítica da colonialidade, de Paulo Henrique Martins (Ateliê de Humanidades Editorial), e Capitalismo sem peias, de Ricardo Regatieri (Humanitas).

Faremos sorteios dos livros e daremos certificados pela participação.

Nos vemos lá!


Apresentação do tema

No atual contexto de pandemia do coronavírus, surgem muitas incertezas em relação ao futuro do capitalismo. A roda da economia recebeu um forte solavanco e os Estados-nação estão buscando evitar, cada qual a seu modo, um colapso econômico e financeiro. Diante disso, surgem questões: como o capitalismo irá responder à grave recessão? Com que feições ele sairá desta crise, que é considerada a pior desde o crash de 1920 e a II Guerra Mundial? Não faltam questões nesta era das incertezas na qual ingressamos. De um lado, surgem novas possibilidades de avanços com convergências em torno de uma agenda social, política e ecológica global que era urgente, mas que é travada por lutas por poder e jogos de interesse fortemente estruturados. Mas, por outro lado, poderão retornar também as velhas formas de colonialidade e emergir novas formas de colonização. Ou seja, tendo em vista que o capitalismo sempre esteve vinculado à colonialidade, temos que nos perguntar não apenas sobre quais serão as possíveis mutações do capitalismo, mas também quais serão as metamorfoses da colonialidade.

Para refletir sobre essas questões, no próximo dia 07 de maio (19-21h), o Ateliê de Humanidades, juntamente com a BiblioMaison/Consulado da França no Rio de Janeiro, realizará o primeiro encontro do Ciclo de Humanidades Virtual, com o tema “Metamorfoses da colonialidade: pensar o capitalismo na era das incertezas”, com participação de Paulo Henrique Martins, professor titular da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e Ricardo Regatieri, professor adjunto da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Neste dia, serão lançados também os livros Teoria Crítica da Colonialidade, de Paulo Henrique Martins (Ateliê de Humanidades Editorial), e Capitalismo sem peias, de Ricardo Regatieri (Editora Humanitas).

Local: 
Aplicativo Zoom (link será disponibilizado no ato de inscrição)

Data: 
07 de maio (quinta-feira)

Horário: 
das 19 – 21h

Certificado:
Será disponibilizado Certificado, pelo Ateliê de Humanidades/BiblioMaison, para participação neste evento. Caso haja participação de no mínimo 75% dos dias, será dado o certificado de participação no Ciclo de Humanidades como um todo.



Participantes:



Já está disponível no nosso canal do youtube a gravação do primeiro encontro do Ciclo de Humanidades Virtual, “Metamorfoses da colonialidade: pensar o capitalismo na era das incertezas”


Conviviações. Por tecnologias convivialistas – com Ká Menezes e Leonardo Foletto

Num mundo em que a tecnologia é vista como uma grande caixa-preta, indecifrável e perigosa, com grandes plataformas que monitoram e processam nossos dados pessoais sem sabermos bem como ou para quê, como pensar em tecnologias convivialistas? Que outra forma de pensar e produzir a tecnologia pode nos fazer vislumbrar parcerias, colaborações, troca de conhecimento… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A vitória de Pirro de Hans Küng? – por Carlos Eduardo Sell

Na última semana nos despedimos de três gigantes do pensamento: o antropólogo americano Marshall Sahlins, o crítico literário brasileiro Alfredo Bosi e o teólogo suíço Hans Küng. No contexto da morte de Küng, um dos principais representantes da teologia crítica e progressista, Carlos Eduardo Sell faz uma reflexão sobre as possíveis consequências de sua obra… Continuar Lendo →

Entrevista com Jean-Yves Camus. Entre populismo e extrema-direita: rumo à radicalização do mundo?

No contexto político contemporâneo, torna-se evidente a necessidade de entendermos a natureza e a ascensão dos movimentos de extrema direita. Foi por isso que realizamos, no Ciclo de Humanidades 2020, um encontro em agosto com o tema “Em busca do conservadorismo perdido?“. Como parte do encontro, André Magnelli fez uma entrevista com o cientista político… Continuar Lendo →

Webinar. Lançamento do livro “Sociologia geral”, de Pierre Bourdieu (Vozes, 2021)

Na próxima terça-feira (06 de abril), às 19h, faremos em parceria com a editora Vozes o lançamento do livro “Sociologia geral, (volume 1)”, de Pierre Bourdieu. Será uma mesa-redonda com a presença de Frédéric Vandenberghe, Maria Eduarda da Mota Rocha (UFPE), Thiago Panica (UFPB) e Adalberto Cardoso (IESP-UERJ). Faremos sorteio de livros entre os participantes…. Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Por que continuar a ler Carl Schmitt? Um diálogo com Daniel Chernilo

Na semana passada publicamos o artigo “Carl Schmitt entre nós: algumas considerações“, onde o sociólogo e filósofo chileno Daniel Chernilo propõe uma reflexão crítica sobre a retomada de Carl Schmitt com uma indagação: “o que significa ler Carl Schmitt politicamente?”. Trazemos agora uma primeira resposta à interpelação. Neste texto, o filósofo Fábio Costa faz algumas… Continuar Lendo →

Deixe uma resposta

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: