Podcast. Cosmopolíticas para Gaia em Tempos de Antropoceno

As queimadas na Amazônia e a postura do governo Bolsonaro colocaram a questão ambiental no centro das atenções dos brasileiros, e o Brasil no centro de um turbilhão mundial. Hoje, no República de Ideias, o Ateliê de Humanidades revisita o tema "Cosmopolíticas para Gaia em tempos de Antropoceno", tratado por nós no Ciclo de Humanidades.... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. Nem imbecil feliz, nem infeliz imbecil: compreender a época em que vivemos – Luc Ferry

Do mesmo modo que a consciência infeliz, tão bem descrita por Hegel, tendemos a ver na história apenas o que desmorona e morre, quase nunca o que surge e ganha vida. Daí  nossa tendência ao pessimismo, tendência tão forte que dá asas ao pensamento negativo. Ao contrário do otimismo, sempre um pouco tolo, uma visão... Continuar Lendo →

Fios do tempo. E pretendeis possuir a verdade, e vossa opinião aprisionará o amor – por André Magnelli

Publicamos hoje, no Fios do Tempo: Análises do presente, um artigo de André Magnelli (livre-pesquisador e diretor do Ateliê de Humanidades). A partir das citações que Bolsonaro faz em seu twitter do versículo "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará", Magnelli reflete sobre os usos da religião nas atuais "políticas de autenticidade" que,... Continuar Lendo →

Lançamento do livro “Itinerários do Dom: Teoria e sentimento” de Paulo Henrique Martins na Universidade Federal do Pernambuco (UFPE)

O Ateliê de Humanidades, em parceria com o Programa de pós-graduação em sociologia da Universidade Federal do Pernambuco, convida todos para o lançamento do livro Itinerários do Dom: Teoria e sentimento do Prof. Dr. Paulo Henrique Martins (UFPE) Dia 30 de Agosto - Auditório Manuel Correia de Andrade, CFCH – 3º andar - Campus UFPE... Continuar Lendo →

Generosidade e vida social, por Paulo Henrique Martins (artigo em O Povo)

A tradição budista prega a bondade fundamental como condição para a harmonia interior. No entanto, a tradução do termo no nosso imaginário cristão sofre, muitas vezes, uma inflexão ambígua em que o bem apenas se reconhece na luta contra o mal, o que se afasta claramente da dádiva franciscana. Para sair desta armadilha maniqueísta é... Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades. Rumo a uma sociedade pós-depressiva? Perspectivas franco-alemães sobre o sofrimento psíquico (evento gratuito)

No próximo dia 29 de agosto, no Ciclo de Humanidades, o Ateliê de Humanidades, em parceria com a BiblioMaison / Consulado da França e o Goethe Institut / Consulado da Alemanha, se propõe a refletir sobre o sofrimento psíquico na contemporaneidade, considerando suas causas sociais, experiências individuais e articulações políticas. Para tanto, convidamos Arthur Bueno (Wissenschaftlicher Mitarbeiter da Universidade de Frankfurt e Associate Junior Fellow da Universidade de Erfurt), que dialogará a crítica social da Escola de Frankfurt – em especial a teoria do reconhecimento de Axel Honneth e teoria da aceleração de Hartmut Rosa – com o diagnóstico da "fadiga de ser si" feito pelo francês Alain Ehrenberg. Neste dia, teremos a oportunidade não apenas de analisar as molas da depressão e dos conflitos políticos atuais, como também de pensar sobre os sentidos da autonomia e o advento possível de uma sociedade pós-depressiva.

Pontos de leitura. Coração ao alto!, ou como a melhor maneira de viajar é sentir – por Fernando Pessoa

Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir. Sentir tudo de todas as maneiras. Sentir tudo excessivamente, Porque todas as coisas são, em verdade, excessivamente E toda a realidade é um excesso, uma violência, Uma alucinação extraordinariamente nítida Que vivemos todos em comum com a fúria das almas, O centro para onde tendem as estranhas... Continuar Lendo →

Fios do tempo. Vossa Alteza há de ser muito bem servida por esta Pátria Amada Brasil – Por: Lindoberg Campos

Publicamos hoje, no Fios do Tempo: Análises do presente, um artigo de Lindoberg Campos (Ateliê de Humanidades / PUC-RJ) sobre a escolha do filho do presidente como embaixador nos EUA. Lindoberg se propõe a pensar nossa crise de legitimidade por meio de uma viagem pela história patrimonialista de nossa "pátria amada", desde o suposto pedido... Continuar Lendo →

Podcast. Uma democracia (in)acabada: Os messianismos à brasileira

Quarto episódio da temporada do República de Ideias sobre o Livro " Uma Democracia (in)acabada: quadros e bordas da soberania do povo com Pierre Rosanvallon", lançado pelo Ateliê de Humanidades Editorial.  Com participação de Lindoberg Campos e André Magnelli, refletimos sobre os messianismos na história da democracia brasileira; fazemos um panorama na história; distinguimos entre dois tipos de messianismo; e tratamos de sua presença hoje em nossa política e sociedade, discutindo sobre suas permanências e metamorfoses hoje. O próximo episódio, último da temporada, é: (V) Na era dos populismos. Boa escuta!  

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: