Fios do tempo. Bolsonaro comete um “populicídio” no Brasil – por Frédéric Vandenberghe


Na continuidade de nosso debate em meio à pandemia, publicamos no Fios do tempo um artigo de Frédéric Vandenberghe sobre as tentativas de “populicídio” empreendidas por Jair Bolsonaro. Tendo sido escrito para sair nas páginas do Libération (em 06/04), o artigo expõe a situação brasileira para o público estrangeiro sob a perspectiva de um intelectual belga estabelecido no Brasil há muitos anos. Desta forma, ele nos possibilita uma visão sintética e clara de nossa grave situação social e política, contribuindo também para a análise contemporânea a partir de duas categorias provocativas, as de populicídio e de democratura.

A. M.
Fios do tempo, 08 de abril de 2020




Bolsonaro comete
um “populicídio” no Brasil

Rio de Janeiro, 04 de abril de 2020

Desde a vitória de Jair Messias Bolsonaro nas eleições presidenciais de outubro de 2019, tudo mudou. Uma coisa é testemunhar a ascensão de um movimento populista; viver sob um regime populista que tomou o poder é algo completamente diferente. Não é tanto um populismo de extrema direita, como encontramos em outros lugares, mas uma extrema direita populista. As referências aos fascismos europeus da década de 1930 e à ditadura militar dos anos de chumbo (1964-1985), com uma apologia da  tortura, são constantes. Em pouco tempo, o Brasil se tornou um Estado pária – mais próximo da Rússia ou da Índia do que da Hungria ou da Polônia – com os Estados Unidos no meio do continuum populista. Enquanto que outros países precisaram de uma década ou mais para chegar onde estão, o Brasil, com seu regime presidencial de modo americano, avançou sem nenhum custo. Passamos rapidamente da ameaça populista ao autoritarismo. Oficialmente, ainda somos uma democracia. O desmantelamento insidioso do Estado de Direito e os ataques incessantes às intermediações institucionais (a Suprema Corte, o Congresso, a mídia), no entanto, nos aproximam de uma “democratura”.

Nostálgico pela ditadura, Bolsonaro pratica o negacionismo histórico. Ao atiçar fogo na Amazônia, ele também pratica o negacionismo climático. Ao tratar do Covid-19 como uma “gripezinha” ou “resfriadinho”, ele também pratica o negacionismo científico. Em plena pandemia de coronavírus, ele convoca seus seguidores mais radicais para uma manifestação abertamente golpista contra o Congresso e a Suprema Corte. Como se um crime não fosse suficiente, ele tocou em um monte de gente sem máscara e sem precauções, mesmo sabendo que várias pessoas de seu ambiente imediato, que o acompanharam durante sua visita oficial aos Estados Unidos, estavam já infectadas. Ele minimiza os riscos da pandemia, vituperando-se contra as grandes mídias e acusando-se de fomentar uma “verdadeira histeria”.

Com três semanas de atraso, quase em todo o país, o isolamento social está ocorrendo. Escolas e universidades estão fechando, empresas estão acompanhando isso, e tememos o pior. Desde a emenda da Constituição pelo governo de Michel Temer em 2016, os gastos com saúde foram limitados… até 2036! No estado do Rio de Janeiro, o sistema de saúde entrou em colapso em outubro passado. O tráfico de drogas e as milícias paramilitares impõem um toque de recolher nas favelas. Nas farmácias, não existem máscaras ou álcool em gel. Além disso, como você lava as mãos quando não tem água corrente em casa? Como praticar o isolamento social quando uma família inteira vive em um quarto? E como você sobrevive quando não tem mais trabalho e renda, e tampouco poupança?

Como sempre, o governo está mais preocupado com a austeridade do que com a saúde. Bolsonaro chegou a autorizar a suspensão dos contratos de trabalho por 3 meses sem remuneração (mas recuou sob pressão popular), enquanto que Guedes sugeriu que o governo pudesse abrir seus cofres e doar 200 reais por mês para trabalhadores informais desempregados (aumentada para “generosos” 600 reais pelo Congresso). Para protestar contra a irresponsabilidade do presidente, os panelaços começaram a animar as noites de confinamento em todo o Brasil.

Em 24 de março, Bolsonaro fez um discurso fatídico, o “discurso da morte”, completamente irresponsável e criminoso. Contrariando todas as instruções oficiais da Organização Mundial da Saúde e de seu próprio Ministro da Saúde, ele pediu o levantamento imediato do isolamento social. Ao alegar que a crise econômica é muito mais mortal do que a crise da saúde, que o país não pode e não deve parar, que o Covid-19 não é mais perigoso do que uma “gripezinha” e que afeta apenas os idosos, que pessoas como ele, com sua “história de atleta”, não correm o menor risco, ele quis afirmar que somente Deus, a cloroquina e, obviamente, ele mesmo salvarão o país. Com isso, exigiu a reabertura imediata de escolas e lojas e anunciou a interrupção do “confinamento em massa”.

Ao criticar a mídia, atacar os governadores que praticariam a política da “terra arrasada” e pedir um retorno imediato à normalidade, ele politiza a crise da saúde até o limite. Baseado em um cálculo eleitoral enlouquecido, esperando que os efeitos da crise econômica sejam atribuídos a seus oponentes, Bolsonaro intencionalmente causa caos e semeia a morte. Comete ele um suicídio político?

A resposta de altos funcionários da República, governadores de estados da federação, prefeitos e sociedade civil, foi imediata: a política de isolamento social deve ser mantida e as diretrizes da OMS seguidas. É necessário, é claro, desenvolver uma política inteligente que atue tanto sobre o vírus quanto sobre a economia, mas a proposta de Bolsonaro de interromper imediatamente o confinamento para todos, exceto para as categorias em risco (“isolamento vertical”), a fim de recolocar a economia em marcha a qualquer custo, não é razoável. Como ele é incorrigível, não aprende e não fecha a boca, ele deve ser isolado e posto em quarentena. Assim como o coronavírus, o bolsonavírus é virulento e mortífero. Diante de um crime de irresponsabilidade, seria preciso instituir um processo de impeachment, mas o procedimento é longo e há urgência. Sem dúvida, seria muito melhor se Bolsonaro renunciasse, mas sabemos que ele não fará isso. Ele passa por cima de tudo que puder. Ele é capaz de declarar um estado de emergência e realizar um golpe contra si mesmo para estabelecer uma ditadura contra o caos que ele próprio criou. De qualquer forma, aconteça o que acontecer, será necessário que um dia um tribunal criminal julgue e condene ele e seu clã por “populicídio”, ou seja, por um homicídio em massa voluntário e premeditado.

Artigo escrito originalmente para o público estrangeiro
e publicado em Libération em 06 de abril de 2020.


Frédéric Vandenberghe é professor de sociologia no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS-UFRJ)


Como citar este artigo:
VANDENBERGHE, Frédéric (2020), Bolsonaro comete um “populicídio no Brasil” (Ateliê de Humanidades), 07 de abril. Disponível em: https://ateliedehumanidades.com/2020/04/08/fios-do-tempo-bolsonaro-comete-um-populicidio-no-brasil-por-frederic-vandenberghe/


Ciclo de Humanidades 2021. Outros mundos sempre existiram: confluências afro-indígenas

Proposta Nem sempre precisamos parir utopias do zero e, tal como titãs, construir outros mundos possíveis. Afinal, outros mundos sempre existiram. Muitas vezes, inclusive, a vontade de transformar a realidade esteve associada à destruição de múltiplos saberes, práticas e seres vivos, humanos e não humanos… Em busca de uma confluência de distintas “heterotopias” (“lugares outros”… Continuar Lendo →

COLOQUIO SEMESTRAL – Secularizaciones: valores, tiempo, política y tecnología (postulaciones hasta el 4 de agosto, 2021)

Divulgamos a chamada do Colóquio Semestral “Secularizaciones: valores, tiempo, política y tecnología”, organizado pelo doutorado em “Processos e Instituições Políticas” da Escuela de Gobierno da Universidad Adolfo Ibáñez (UAI, Chile) e pelo doutorado em Ciências Sociais, também da UAI. O colóquio será organizado em 4 sessões, cada uma das quais dedicada à reflexão sobre um… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Bolsonaro, o Centrão e nós – por Luiz Werneck Vianna

Em sua nova contribuição, Luiz Werneck Vianna expõe os fracassos de Jair Bolsonaro, não apenas na condução do governo mas também na articulação política. Sua rendição ao assim chamado Centrão seria movimento defensivo, que denota suas fraquezas, e do mesmo modo deve-se compreender as ameaças de golpe militar. Diante desse cenário, Werneck Vianna sustenta a… Continuar Lendo →

#058 Podcast. Vila Morena (VI): Entre tempos descontínuos e milenares

Chegamos ao sexto episódio de nossa introdução ao debate de ideias em Portugal, com atividades em podcasts/vídeos do “Vila Morena: o debate de ideias em Portugal”, no República de Ideias. Ele consiste em exposições e debates com Marcos Lacerda, autor do livro A sociedade das tecnociências de mercadorias: introdução à obra de Hermínio Martins e também organizador (junto… Continuar Lendo →

Conviviações. Conviver e cuidar entre a vida e a morte – com Osmair Camargo e Fernando Neves

Para o lançamento do grupo de suporte e reflexão Cuidado Coletivo, faremos no próximo dia 19 de julho, segunda-feira, às 20:30h, um Conviviações com o tema “Conviver e cuidar entre a vida e a morte: diálogo na frente do combate”, tendo a participação de Osmair Camargo (sepultador e filósofo) e Fernando Neves (médico intensivista). Convidamos… Continuar Lendo →

Entrevista com Frédéric Worms. O que é a vida – com A. Magnelli e Caio Souto

Publicamos hoje a entrevista legendada em português do filósofo francês Frédéric Worms no primeiro encontro do Ciclo de Humanidades 2021, com o tema “O que é a vida?” (realizado pela BiblioMaison/Consulado da França & Ateliê de Humanidades). A entrevista foi feita no dia 27 de abril por André Magnelli e Caio Souto. Foram cinco questões,… Continuar Lendo →

Ciclo de debates do CPS-UFJF “Universidade no Antropoceno” – O Antropoceno como compreensão do presente – com Daniel Chernilo e André Magnelli

Antropoceno é um conceito criado a partir da geofísica para designar uma nova era geológica na vida planetária, que segue-se ao Holoceno, cuja duração data de 12 mil anos atrás. Sua característica distintiva é que a ação humana produziu efeitos sobre a estrutura do planeta e sobre processos ambientais de tal monta que eles se… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A pergunta que não quer calar – por Luiz Werneck Vianna

Como na peça emblemática do teatro de Ferreira Gullar ou nas fabulações de Lewis Carroll, a pergunta por onde fica a saída é a que nos ronda e que importa responder. Luiz Werneck Vianna oferece neste artigo as pistas do caminho, reconhecendo os elementos políticos e sociológicos que compõem e sustentam o governo, interessados na… Continuar Lendo →

Homenagem a Edgar Morin, um centenário – recordando o primeiro encontro do Ciclo de Humanidades em 2019

Neste dia 08 de julho, Edgar Morin se torna um homem centenário. Em sua homenagem, recordamos que o “Ciclo de Humanidades: ideias e debates em filosofia e ciências sociais”, que é organizado pelo Ateliê de Humanidades & a BiblioMaison/Consulado da França no Rio de Janeiro, iniciou suas atividades em 2019 com a palestra de André… Continuar Lendo →

Curso livre virtual. Retórica moderna e contemporânea- por André Magnelli

Apresentação do curso Após a invenção da retórica pelos gregos e seu desenvolvimento pelos romanos, que destino teve a arte retórica? Quais foram suas transformações ao longo dos últimos 1500 anos, desde o início da Idade Média até os dias atuais? Como se dão as relações da retórica com a política, a religião, a educação,… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Saltos sustentados ou pulos vacilantes? Uma via para a inovação tecnológica no Brasil – por André Magnelli

No dia 08 de junho de 2021, eu, André Magnelli, participei da mesa “De 22 a 22: o Salto da Tecnologia no Brasil” no IT Forum Anywhere, com a presença de Silvio Meira (cientista-Chefe, The Digital Strategy Company & professor Extraordinário, CESAR School) e Domingos Monteiro (fundador e presidente da Neurotech). No contexto desse oportuno… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Uma iniciação esquemática à imaginação – Luiz Costa Lima

Hoje, no Fios do Tempo, temos a honra de publicar “Uma iniciação esquemática à imaginação“, texto escrito por Luiz Costa Lima para a mesa-redonda realizada no quarto encontro do Ciclo de Humanidades 2021, “Imaginar é preciso!”, que teve a presença de Costa Lima e Renato Lessa. O autor apresenta aqui a centralidade da imaginação na… Continuar Lendo →

Evento. Rediss. Painel “Confidence, crises, sociology” & GT 14: Dom, sensibilidades e emoções

Como parte da programação do International Network of Sociology of Sensibilities, organizado pela Rede Internacional de Sociologia das Sensibilidades e o Centro de investigaciones y estudios Sociológicos (Rediss), teremos hoje daqui a pouco, às 9h horas, o painel “Confidence, crises, sociology”, com palestra de Alain Caillé, comentários de Silvia Cataldi, Gennaro Iorio, Adrian Scribano e… Continuar Lendo →

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: