Fios do tempo. Bolsonaro comete um “populicídio” no Brasil – por Frédéric Vandenberghe


Na continuidade de nosso debate em meio à pandemia, publicamos no Fios do tempo um artigo de Frédéric Vandenberghe sobre as tentativas de “populicídio” empreendidas por Jair Bolsonaro. Tendo sido escrito para sair nas páginas do Libération (em 06/04), o artigo expõe a situação brasileira para o público estrangeiro sob a perspectiva de um intelectual belga estabelecido no Brasil há muitos anos. Desta forma, ele nos possibilita uma visão sintética e clara de nossa grave situação social e política, contribuindo também para a análise contemporânea a partir de duas categorias provocativas, as de populicídio e de democratura.

A. M.
Fios do tempo, 08 de abril de 2020




Bolsonaro comete
um “populicídio” no Brasil

Rio de Janeiro, 04 de abril de 2020

Desde a vitória de Jair Messias Bolsonaro nas eleições presidenciais de outubro de 2019, tudo mudou. Uma coisa é testemunhar a ascensão de um movimento populista; viver sob um regime populista que tomou o poder é algo completamente diferente. Não é tanto um populismo de extrema direita, como encontramos em outros lugares, mas uma extrema direita populista. As referências aos fascismos europeus da década de 1930 e à ditadura militar dos anos de chumbo (1964-1985), com uma apologia da  tortura, são constantes. Em pouco tempo, o Brasil se tornou um Estado pária – mais próximo da Rússia ou da Índia do que da Hungria ou da Polônia – com os Estados Unidos no meio do continuum populista. Enquanto que outros países precisaram de uma década ou mais para chegar onde estão, o Brasil, com seu regime presidencial de modo americano, avançou sem nenhum custo. Passamos rapidamente da ameaça populista ao autoritarismo. Oficialmente, ainda somos uma democracia. O desmantelamento insidioso do Estado de Direito e os ataques incessantes às intermediações institucionais (a Suprema Corte, o Congresso, a mídia), no entanto, nos aproximam de uma “democratura”.

Nostálgico pela ditadura, Bolsonaro pratica o negacionismo histórico. Ao atiçar fogo na Amazônia, ele também pratica o negacionismo climático. Ao tratar do Covid-19 como uma “gripezinha” ou “resfriadinho”, ele também pratica o negacionismo científico. Em plena pandemia de coronavírus, ele convoca seus seguidores mais radicais para uma manifestação abertamente golpista contra o Congresso e a Suprema Corte. Como se um crime não fosse suficiente, ele tocou em um monte de gente sem máscara e sem precauções, mesmo sabendo que várias pessoas de seu ambiente imediato, que o acompanharam durante sua visita oficial aos Estados Unidos, estavam já infectadas. Ele minimiza os riscos da pandemia, vituperando-se contra as grandes mídias e acusando-se de fomentar uma “verdadeira histeria”.

Com três semanas de atraso, quase em todo o país, o isolamento social está ocorrendo. Escolas e universidades estão fechando, empresas estão acompanhando isso, e tememos o pior. Desde a emenda da Constituição pelo governo de Michel Temer em 2016, os gastos com saúde foram limitados… até 2036! No estado do Rio de Janeiro, o sistema de saúde entrou em colapso em outubro passado. O tráfico de drogas e as milícias paramilitares impõem um toque de recolher nas favelas. Nas farmácias, não existem máscaras ou álcool em gel. Além disso, como você lava as mãos quando não tem água corrente em casa? Como praticar o isolamento social quando uma família inteira vive em um quarto? E como você sobrevive quando não tem mais trabalho e renda, e tampouco poupança?

Como sempre, o governo está mais preocupado com a austeridade do que com a saúde. Bolsonaro chegou a autorizar a suspensão dos contratos de trabalho por 3 meses sem remuneração (mas recuou sob pressão popular), enquanto que Guedes sugeriu que o governo pudesse abrir seus cofres e doar 200 reais por mês para trabalhadores informais desempregados (aumentada para “generosos” 600 reais pelo Congresso). Para protestar contra a irresponsabilidade do presidente, os panelaços começaram a animar as noites de confinamento em todo o Brasil.

Em 24 de março, Bolsonaro fez um discurso fatídico, o “discurso da morte”, completamente irresponsável e criminoso. Contrariando todas as instruções oficiais da Organização Mundial da Saúde e de seu próprio Ministro da Saúde, ele pediu o levantamento imediato do isolamento social. Ao alegar que a crise econômica é muito mais mortal do que a crise da saúde, que o país não pode e não deve parar, que o Covid-19 não é mais perigoso do que uma “gripezinha” e que afeta apenas os idosos, que pessoas como ele, com sua “história de atleta”, não correm o menor risco, ele quis afirmar que somente Deus, a cloroquina e, obviamente, ele mesmo salvarão o país. Com isso, exigiu a reabertura imediata de escolas e lojas e anunciou a interrupção do “confinamento em massa”.

Ao criticar a mídia, atacar os governadores que praticariam a política da “terra arrasada” e pedir um retorno imediato à normalidade, ele politiza a crise da saúde até o limite. Baseado em um cálculo eleitoral enlouquecido, esperando que os efeitos da crise econômica sejam atribuídos a seus oponentes, Bolsonaro intencionalmente causa caos e semeia a morte. Comete ele um suicídio político?

A resposta de altos funcionários da República, governadores de estados da federação, prefeitos e sociedade civil, foi imediata: a política de isolamento social deve ser mantida e as diretrizes da OMS seguidas. É necessário, é claro, desenvolver uma política inteligente que atue tanto sobre o vírus quanto sobre a economia, mas a proposta de Bolsonaro de interromper imediatamente o confinamento para todos, exceto para as categorias em risco (“isolamento vertical”), a fim de recolocar a economia em marcha a qualquer custo, não é razoável. Como ele é incorrigível, não aprende e não fecha a boca, ele deve ser isolado e posto em quarentena. Assim como o coronavírus, o bolsonavírus é virulento e mortífero. Diante de um crime de irresponsabilidade, seria preciso instituir um processo de impeachment, mas o procedimento é longo e há urgência. Sem dúvida, seria muito melhor se Bolsonaro renunciasse, mas sabemos que ele não fará isso. Ele passa por cima de tudo que puder. Ele é capaz de declarar um estado de emergência e realizar um golpe contra si mesmo para estabelecer uma ditadura contra o caos que ele próprio criou. De qualquer forma, aconteça o que acontecer, será necessário que um dia um tribunal criminal julgue e condene ele e seu clã por “populicídio”, ou seja, por um homicídio em massa voluntário e premeditado.

Artigo escrito originalmente para o público estrangeiro
e publicado em Libération em 06 de abril de 2020.


Frédéric Vandenberghe é professor de sociologia no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IFCS-UFRJ)


Como citar este artigo:
VANDENBERGHE, Frédéric (2020), Bolsonaro comete um “populicídio no Brasil” (Ateliê de Humanidades), 07 de abril. Disponível em: https://ateliedehumanidades.com/2020/04/08/fios-do-tempo-bolsonaro-comete-um-populicidio-no-brasil-por-frederic-vandenberghe/


Fios do Tempo. A bancada da Bíblia bancando inquisição? – por Thiago Pacheco

No início de maio, foi aprovado com urgência na Câmara dos Deputados um projeto de lei que proíbe o uso do nome “Bíblia” ou “Bíblia Sagrada” em “qualquer publicação impressa e/ou eletrônica com conteúdo (livros, capítulos e versículos) diferente do já consagrado há milênios pelas diversas religiões Cristãs”. A motivação principal de seu propositor são… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A coragem de ideias fortes: uma homenagem a Luiz Pinguelli Rosa – por André Magnelli

Preparando-me para a palestra que farei próxima semana no Coloquio 100 años de Pablo González Casanova com a presença dos colegas Jaime Preciado Coronado e Jaime Torres Guillén, organizada pelo Centro Universitario de Ciencias Sociales y Humanidades da Universidad de Guadalajara, México, lembrei-me de que havia escrito há muito tempo uma resenha sobre o livro… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. O que é a Teoria Crítica da Colonialidade (TCC): uma brevíssima apresentação – por Paulo Henrique Martins

Logo mais, às 14h (Brasília/Buenos Aires, GMT-3), teremos o segundo encontro de lançamento do livro Critical Theory of Coloniality, de Paulo Henrique Martins (Routledge, 2022). Tendo a mediação de André Magnelli e a presença de Paulo, será uma mesa com Adrián Scribano, Jaime Rios, Stéphane Dufoix e Breno Bringel (infelizmente, por razões de saúde, Nora Garita… Continuar Lendo →

#064 República de ideias – Ressonâncias e convivialidades: um debate com Alain Caillé e Hartmut Rosa

Hoje temos um episódio especial no República de Ideias! Você ouve o “Seminário Internacional. Ressonâncias e convivialidades”, organizado pelo Ateliê de Humanidades em parceria com o Centro de Estudos Avançados da Universidade Federal de Permanbuco (CEA-UFPE). O Seminário contou com a presença de Hartmut Rosa e Alain Caillé. Os dois conversaram com André Magnelli, Paulo… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Por uma crítica do populismo em nome de mais (e não menos) democracia – por Felipe Maia

Na última quinta-feira, tivemos o primeiro encontro do Ciclo de Humanidades 2022 com o tema “A democracia polarizada”. Conversamos sobre o livro “O século do populismo: história, teoria, crítica” (Ateliê de Humanidades Editorial, 2021), tendo a presença do próprio autor Pierre Rosanvallon. O vídeo está disponível com os áudios originais no canal da BiblioMaison; depois,… Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades 2022 – A democracia polarizada: navegando no século do populismo – com Pierre Rosanvallon, Christian Lynch e Tatiana Roque

Pelos vários cantos do mundo, as democracias estão em crise e se tornam polarizadas por líderes e movimentos ditos “populistas”. Mas o que são mesmo os populismos? O que eles estão nos dizendo sobre o que não vai bem conosco? Como podemos navegar nas águas revoltas da crise democrática sem afundar em “democraturas”? Como fazer… Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades 2022. A hora da democracia!? / No tempo do sensível

O Ciclo de Humanidades é realizado desde 2019 pelo Ateliê de Humanidades, o Escritório do Livro da Embaixada da França no Brasil & a BiblioMaison. Após um total de 26 encontros e 12 entrevistas de 2019 a 2021, chegamos em nosso quarto ano com o Ciclo de Humanidades 2022. Ele será em formato híbrido (presença… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Zelensky sem narrativas: por um realismo do povo comum, por Jeudiel Martinez

Após um interregno em que estávamos fechando alguns dos próximos livros do Ateliê de Humanidades Editorial e também da Biblioteca Básica Latino-Americana (BBLA), retomamos as publicações do Fios do Tempo trazendo mais uma análise sobre a Guerra na Ucrânia. Inicialmente, havíamos publicado a entrevista do sociólogo russo Greg Yudin sobre “O que se passa na… Continuar Lendo →

Book launch – Critical Theory of Coloniality, by Paulo Henrique Martins (Routledge, 2022) – with Gurminder Bhambra, Sergio Costa, Alain Caillé, Joanildo Burity, Nora Garita, Jaime Rios, Stéphane Dufoix, Breno Bringel, Alfredo Gomes, Paulo Henrique Martins and André Magnelli

Paulo Henrique Martins’ book Critical Theory of Coloniality, published in Portuguese in 2019 by Ateliê de Humanidades Editorial, now has its English edition by Routledge. Launched this April, Critical Theory of Coloniality reveals how critical social theory currently opens up to a pluriversal perspective constructed through a dialogue between the Global South and the Global… Continuar Lendo →

Lançamento do livro – Critical Theory of Coloniality, de Paulo Henrique Martins (Routledge, 2022) – com Gurminder Bhambra, Sergio Costa, Alain Caillé, Joanildo Burity, Nora Garita, Jaime Rios, Stéphane Dufoix, Breno Bringel, Alfredo Gomes, Paulo Henrique Martins e André Magnelli

O livro Teoria Crítica da Colonialidade, de Paulo Henrique Martins, publicado em 2019 pelo Ateliê de Humanidades Editorial, tem agora sua edição em inglês pela Routledge. Lançado neste mês de abril, Critical Theory of Coloniality revela como a teoria social crítica se abre atualmente para uma perspectiva pluriversal construída através de um diálogo entre o… Continuar Lendo →

Curso Livre Virtual. Romance Grego. O surgimento do gênero romanesco na Grécia Imperial – por Ritá Codá

O que vem a ser o romance grego? Quais são seus motivos, temas e autores? Por que o romance grego serviu de modelo arquetípico para os gêneros literários e dramatúrgicos do período medieval e moderno? O curso “Romance Grego: o surgimento do gênero romanesco na Grécia Imperial”, da professora Rita Codá, buscará explorar estas e… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. O que se passa na Rússia de Putin? – Entrevista com o sociólogo russo Greg Yudin (por David Ernesto García Doell)

A tradição de crítica ao imperialismo norte-americano e a visão da Rússia através de um nostalgismo sovietista são uma boa forma de cegar-se a respeito do que é a Rússia, do que se passa no regime de Putin e do que pode acarretar a Guerra na Ucrânia. Para trazer elementos de compreensão do que está… Continuar Lendo →

Curso Livre. Os robôs na ficção especulativa: mitologia, literatura e cinema – com professora Liz Ribeiro

Apresentação O curso tratará dos robôs em suas diversas formas e representações – mitológicas, literárias e cinematográficas –, desde a Antiguidade até os dias atuais. Veremos, em seis aulas, como nosso imaginário sobre criaturas artificiais diz muito sobre quem somos e o mundo em que vivemos, evidenciando várias questões filosóficas, antropológicas, éticas e políticas. Discutiremos,… Continuar Lendo →

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: