Convite para uma rede colaborativa físico-digital – por Paulo Henrique Martins, André Magnelli e Lucas Soneghet

Lançamos hoje o site paulohenriquemartins.com, que foi produzido com o apoio técnico e logístico do Ateliê de Humanidades. A iniciativa tem o objetivo de organizar e difundir as atividades intelectuais de Paulo Henrique Martins em interação com a rede de pesquisadores e o público mais amplo. 

O site é composto por um acervo digital (com artigos, livros, entrevistas, matérias de jornal, vídeos etc.) e por uma área de notícias. Além disso, ele é um meio de veiculação de atividades públicas (na forma de artigos, vídeos, podcasts etc.) do pesquisador por meio de parceria com o Ateliê de Humanidades. Ele possui igualmente um pequeno “Ateliê virtual” que possibilita um canal de comunicação permanente com o público.

Tendo em vista mostrar a visão e os valores que motivam nossa iniciativa, fizemos um pequeno texto de “Convite para uma rede colaborativa físico-digital“, que mostra como que nossa proposta é mobilizada pela percepção de que existe uma reconfiguração do lugar dos intelectuais no espaço público.

24 de setembro de 2021

Paulo Henrique Martins
André Magnelli
Lucas Faial Soneghet



Convite para uma rede colaborativa físico-digital

Recife, Rio de Janeiro e Michigan (EUA)
14 de setembro de 2021

Osite paulohenriquemartins.com foi produzido com o apoio técnico e logístico do Ateliê de Humanidades. Ele tem o objetivo de organizar e difundir as atividades intelectuais de Paulo Henrique Martins em interação com a rede de pesquisadores e o público mais amplo. 

A ideia do site site foi maturada e tomou forma progressivamente quando nos convencemos da existência de uma reconfiguração do lugar dos intelectuais no espaço público neste contexto de mutações das sociedades contemporâneas. Diante de uma sociedade mediada pelas mídias digitais, com novas configurações do espaço-tempo, torna-se fundamental que pesquisadores, professores e intelectuais com atuação nacional e internacional renovem sua forma de dialogar, se posicionar e publicar seus trabalhos e ideias. Esta é uma exigência para que as trajetórias acadêmicas e a vida universitária se conectem cooperativamente com a sociedade e o público mais amplo. Neste contexto, obras acadêmicas acumuladas através de muito trabalho individual e coletivo correm risco de serem invisibilizadas por causa de sua falta de inserção no mundo digital. Por sua vez, a solução para este problema não nos parece consistir em desfigurar o trabalho intelectual por meio da emulação da lógica utilitarista predominante nas redes sociais, que fazem pressão para que cada qual se torne um empreendedor de si mesmo em concorrência com os demais.

Temos que renovar nossos meios de acesso aos públicos interessados em nossas pesquisas individuais e coletivas, fomentando uma interlocução acadêmica e mantendo a atualidade e relevância das produções científicas. A vida universitária está entrando em novo estágio de produção e difusão do conhecimento a partir do desenvolvimento de uma inteligência coletiva físico-digital, que se radicaliza com as novas inteligências artificiais. São construídas, crescentemente, novas ferramentas digitais e virtuais de divulgação do conhecimento e de constituição de redes colaborativas, ampliando-se as perspectivas da atividade  intelectual no plano local, nacional, internacional e transnacional. A pandemia acelerou ainda mais este processo de digitalização com o enfraquecimento dos recursos tradicionais que usamos na academia, como a interação em espaços físicos e o acesso a livros e revistas espacialmente localizados. No cenário de pós-pandemia, algumas coisas tendem a voltar ao que era antes, mas nos parece um fato que uma nova época está sendo demarcada, onde se faz uma inédita composição da vida acadêmica tradicional com os potenciais do mundo digital.

Com as mídias digitais e as possibilidades múltiplas de armazenamento, divulgação, comunicação e interação providas pelas tecnologias de informação e comunicação, torna-se urgente e plausível a preservação de nossos legados e a geração de novos meios de diálogo, que façam uso do lado positivo da internet e das redes sociais sem recair nas suas tendências à performance utilitarista, ao ego trip e à fragmentação narcisista. Por isso, é importante que pesquisadores e professores organizem, de modo ativo, coletivo e cooperativo, a divulgação de suas memórias e de suas atividades acadêmicas em curso. Portanto, a construção deste site deve ser entendida como um experimento piloto impulsionado por um esforço realista em quatro sentidos.

1. Trata-se de um registro das memórias do percurso intelectual de um acadêmico que é testemunha do processo de profissionalização das ciências sociais brasileiras e latino-americanas nos últimos 40 anos. O objetivo é de tornar perceptível o sentido de conjunto de uma obra e experiência, propiciando tanto o diálogo interpares quanto também uma referência para as novas gerações. Assim, de um lado, constitui-se aqui um esforço de evitar a tendência à fragmentação da vida acadêmica, decorrente de sua dispersão em atividades universitárias e publicações de artigos, e, de outro lado, faz-se uma tentativa de construir um espaço digital de visibilização de uma produção intelectual que visa ter um interesse público. Este projeto reforça o trabalho que o autor vem realizando desde pelo menos 2011 quando fundou, com alguns colegas, a revista REALIS (Revista de Estudos AntiUtilitaristas e Pós-Coloniais).

2. Trata-se de construir uma plataforma de diálogo acadêmico e público, feito em conexão com as redes de pesquisadores nacionais e internacionais. A construção deste site e a sua operação pelo Ateliê de Humanidades é uma forma de evitar a fragmentação, pois ele incentiva, aqui, a formação de uma colaboração através do Ateliê. Assim, pensamos o Ateliê de Humanidades como um realizador da conexão entre o site (e todos os outros que vierem) com um espaço ético, cooperativo e eficaz sob o zelo desta instituição em rede que é o Ateliê. Deste modo, estamos diante de uma iniciativa de inovação, que visa fazer avançar o Ateliê de Humanidades como um operador e mediador em redes físico-digitais, oferecendo assim um serviço ao mesmo tempo privado e público, mobilizando suas muitas frentes de atividade (tais como o Fios do Tempo, o República de Ideias, o Pontos de Leitura, o Ateliê de Humanidades Editorial, os eventos nacionais e internacionais etc.) em prol da regeneração de nossa comunidade acadêmica, que está muito dilacerada e vulnerável pelos ares e humores do tempo.

3. O site é um convite para a participação dos colegas e amigos que compartilham de nossas preocupações com os rumos da vida universitária. Preocupa-nos, sobretudo, o destino público dos pesquisadores sêniores, que se viram, já no meio de suas carreiras, desafiados pelo deslocamento do circuito de debates acadêmicos e públicos para fora de suas rotinas habituais (como a escrita de artigos científicos e livros, a participação em grandes congressos, as lições em salas e auditórios físicos, etc.), o que gerou uma ágora digital da qual muitos deles desconhecem como bem ingressar e participar. Mas ele também visa o fortalecimento de um espírito cooperativo e público entre os jovens pesquisadores, que são mais versados nas tecnologias digitais, mas que, por falta de espaços institucionais desburocratizados e efetivamente cooperativos, se veem muitas vezes forçados a um adoecedor “salve-se quem puder” acadêmico.

4. Em último lugar, vemos esta iniciativa como a constituição de uma institucionalidade físico-virtual de cooperação acadêmica que zela por memórias vivas relevantes para nosso tempo histórico; e, por isso, acreditamos que ele tem um papel crítico, pragmático e hermenêutico fundamental e urgente para que nossa vida democrática possa ser, ao mesmo tempo, viva, forte e delicada.

Seja bem vindo ao site! Seja bem vindo à nossa rede colaborativa!

Paulo Henrique Martins
André Magnelli
Lucas Faial Soneghet

Leia este artigo e outros de Paulo Henrique Martins
no site https://paulohenriquemartins.com/


Fios do Tempo. A asfixia do mundo no pensar mediatizado – por Luiz Costa Lima

No texto de hoje no Fios do Tempo, Luiz Costa Lima faz uma reflexão sobre as consequências da globalização mediática, de onde emerge um universo imagético antagônico àquele da escrita. Quando se generaliza em nossas sociedades, o mundo mediático tende a dissipar o mundo da escrita e, com isso, solapa as bases da esfera pública… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Crise democrática ou crise de representação? – por Elimar Pinheiro

Muito se fala que vivenciamos uma crise democrática, mas pouco se reflete sobre a natureza da democracia na qual vivemos. Estamos em meio a uma crise da democracia ou, na verdade, assistimos a mais uma mudança no modo do governo representativo? Nesta excelente resenha do clássico livro do cientista político francês Bernard Manin, Principes du… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Miscelánea de epifanías – por Gabriel Restrepo

Iniciando el Fios do Tempo [Hilos del Tiempo] de 2022, hoy traemos la “miscelánea de epifanías” del gran sociólogo, filósofo, poeta y amigo colombiano Gabriel Restrepo. Con su festín al “pensar súbito”, realizado en una retórica barroca resonada en diferentes timbres, Restrepo recorre un viaje de siete pasos con su habitual densidad simbólico-existencial, para ser… Continuar Lendo →

Cosmovisão andina e cultura material (pré-lançamento)

Sem o amor não existiria a sociedade. Ao recuperar a clássica distinção grega entre “Éros”, “Filia” e “Ágape”, este livro faz muito mais do que propor um novo conceito sociológico, aliás, o primeiro grande valor deste livro excepcionalmente original. O ágape, entendido como ação e relação social, funda-se na gratuidade e na doação: é “excedência” que oferece sempre alguma coisa que supera o quanto a situação requer, é sempre alguma coisa “a mais”. O amor é uma forma de vínculo social presente não apenas na dimensão micro da ação, pois ele também é constitutivo das organizações sociais e do nível macro das estruturas e ordens sociais. Além disso, seu inegável potencial crítico faz dele uma categoria chave para pensar e repensar criticamente nossas formas de vida social.

Série Bio [antropo] Lógica

A série Bio [antropo] Lógica do Ateliê de Humanidades Editorial é dedicada à publicação de investigações no entrecruzamento das ciências do humano, da natureza e da vida. Ela tem um duplo objetivo. Por um lado, visa proporcionar a revigoração do projeto da Antropologia como ciência do humano, voltado para a investigação da unidade e diversidade… Continuar Lendo →

Série Filosofia e Teoria Social – Ateliê de Humanidades Editorial

A coleção tem como missão publicar textos clássicos e contemporâneos em teoria social e em ciências sociais (teoricamente orientadas), contribuindo para uma renovação significativa das ciências sociais brasileiras. A política editorial é de abertura e passa por uma redefinição de fronteiras disciplinares. Nesse sentido, ela acolhe dois tipos de textos. Primeiramente, a publicação de livros… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Votos por alguma forma de fortaleza – por Luiz Costa Lima

A passagem do ano tem o poder de renovar simbolicamente o fio da esperança. Mesmo quando estamos em meio ao som e à fúria, em uma história narrada por um idiota num enredo sem sentido, há alguma forma de fortaleza que podemos extrair deste desastre. E, com esta tenacidade, mantém-se aberta a brecha para que,… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Então é Natal… e o que você fez? – por Lindoberg Campos

Trazemos hoje, no Fios do Tempo, o belo texto de Lindoberg Campos sobre o sentido do Natal. Tomando como mote a canção “Então é Natal”, que foi consagrada em português na voz de Simone (e composta em inglês por John Lenon e Yoko Ono), Lindoberg tece sua reflexão dialogando com a teologia, a literatura e,… Continuar Lendo →

Não nascemos para morrer, mas para começar o novo – por Hannah Arendt

O Ateliê de Humanidades retorna do recesso hoje, dia 06 de janeiro, sob o espírito de um novo ano que se inicia, com Pontos de Leitura sobre Hannah Arendt.

E que o novo nasça, sempre, de novo.

Fios do Tempo. A ascensão conservadora e a complexa trama de ideias da nova direita – por Marcos Lacerda

Como compreender a ascensão conservadora ocorrida nos últimos anos no Brasil? Como deslindar a complexa trama de ideias que constitui a nova direita tanto mundial quanto nacional? Muitas tentativas estão sendo feitas nos últimos anos, mas larga parte delas é marcada pela caricatura própria da luta político-partidária, que dificulta ainda mais a compreensão da natureza… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A nossa geringonça – por Luiz Werneck Vianna

O debate sobre uma “geringonça” brasileira ganhou as páginas de análise política nos últimos dias.Neste artigo, Luiz Werneck Vianna saúda a iniciativa e defende a necessidade de uma movimentação ainda mais ampla para derrotar as pretensões autoritárias e abrir caminhos para as demandas das grandes maiorias da população. Boa leitura e bom debate! Felipe MaiaFios… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Geringonça à brasileira – por Alessandra Maia

Mudanças profundas nas conjunturas exigem realinhamentos nas coalizões políticas. Neste artigo primoroso, Alessandra Maia reflete sobre o tema a partir de uma analogia entre a “geringonça” portuguesa, que permitiu a formação de uma frente entre partidos de amplo espectro político, e os recentes realinhamentos que podem permitir a formação de uma frente ampla no próximo… Continuar Lendo →

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: