Fios do Tempo. Antes da catástrofe – por Abram de Swaan

Há algo que podemos aprender com a experiência do avanço do nazi-fascismo europeu em 1940? Aqui, Abram de Swaan, um dos mais importantes autores da sociologia histórica, reflete sobre essa questão a partir de sua história pessoal e familiar, provocando-nos a pensar sobre as limitações que pesam mesmo sobre cidadãos bem informados e intelectuais brilhantes diante da catástrofe. Transpondo a reflexão para o presente, ele identifica e descreve as ameaças presentes na combinação catastrófica entre tendências de crise distintas, agravadas pela eclosão da pandemia global, e que requerem respostas contundentes.

O texto foi escrito originalmente em holandês e traduzido para o inglês por James Armel Smith e Robert van Krieken. A nossa tradução para o português foi feita com base nesta versão, contando para tanto com a permissão dos tradutores e de Abram de Swaan, a quem agradecemos. Agradecemos também à Peter Beilharz e à “Thesis Eleven” pela permissão para a publicação do artigo.

Boa leitura!

Felipe Maia
Fios do Tempo
, 05 de agosto de 2020



Apoie o Ateliê de Humanidades

Assim você colabora para a manutenção e o crescimento de uma instituição de livre estudo e pesquisa que tem por missão renovar as humanidades pelo artesanato intelectual, mediar encontros entre intelectuais, líderes, organizações e cidadãos e promover o debate público esclarecido e a cultura democrática.


Antes da catástrofe:
1940 versus 2020

20 de julho de 2020

Em um belo dia de Primavera, há exatamente 80 anos, meu pai Meik e minha mãe Hennie estavam de pé sobre o estribo, agarrados à lateral de um carro que ia em direção à cidade portuária de IJmuiden. Dizia-se que barcos de pesca estavam atracados lá, prontos para transportar passageiros para a Inglaterra; uma última oportunidade para escapar aos exércitos nazistas em rápido avanço.

No carro à sua frente estavam seus amigos Loe de Jong e sua esposa Liesbeth Cost Budde. No caminho, Loe tinha perdido de vista sua irmã mais nova Jeannette e seus pais no meio de todo o caos. Meus pais tiveram de largar o carro antes de chegarem a IJmuiden. De Jong, que era então editor do De Groene Amsterdammer, tornar-se-ia em breve famoso como o âncora da Radio Oranje, a voz do governo holandês no exílio, transmitida a partir de Londres. Após a guerra, ele escreveu os 30 volumes que compuseram The Kingdom of the Netherlands During the Second World War, uma crônica histórica, que ele mais tarde voltaria a contar numa série televisiva muito popular. Meus pais passaram a maior parte da guerra escondidos na casa dos seus companheiros políticos, Joop e Johanna van Santen, em Herengracht, a apenas algumas ruas do anexo secreto de Anne Frank.

Contudo, meus pais foram mais afortunados que os Franks, assim como eu. Apenas oito meses após meu nascimento, fui transferido para um local separado de meus pais para garantir a minha segurança. O desfecho é claro. O jornal subterrâneo De Vrije Katheder (A tribuna livre) foi produzido na casa dos Van Santens. Após a guerra, meu pai retomou sua carreira como homem de negócios e tornou-se o diretor-geral desse jornal, que agora funcionava abertamente. Comunistas e não-comunistas continuaram a trabalhar juntos no jornal por vários anos, até que o Partido Comunista da Holanda pôs fim a isso.

Por que relembrar novamente esses velhos acontecimentos? Porque é um mistério a razão pela qual os De Jongs e os De Swaans só tentaram fugir em pânico, e no último momento, no dia 14 de Maio, quatro dias após a invasão, aparentemente sem terem feito quaisquer preparativos. Como isso foi possível? Como judeus e anti-fascistas de esquerda, eles estavam profundamente envolvidos com a política. Sabiam tão bem como qualquer um o que estava acontecendo na Alemanha nazista e no resto da Europa, e compreendiam muito bem o que lhes estava reservado no caso de uma invasão alemã.

Os outros irmãos De Swaan que viviam em Amsterdam também foram apanhados desprevenidos nesse dia por uma invasão que poderiam muito bem ter visto chegar, com a exceção de um: o irmão mais velho, Bram, de quem ganhei o nome. Ele não era nem politicamente ativo nem muito ideológico. Era um homem de negócios e dirigia a empresa familiar que produzia sacos de juta. Mas já em Fevereiro de 1940 ele tinha deixado o país numa tortuosa viagem à América ao lado de sua esposa e de seu jovem filho, no último momento possível. Esse filho, Sol, conta que, antes de partir, seu pai tentou convencer os irmãos a também saírem enquanto ainda podiam com suas famílias. Eles não partiram, mas todos conseguiram sobreviver à guerra.

Um certo espírito pouco realista prevalecia na Holanda daquela época; uma espécie de sonolento pensamento que confundia desejo e possibilidades reais, especialmente nos círculos governamentais. Os alemães, que já tinham anexado uma solícita Áustria, ocupado a Tchecoslováquia e invadido a Polônia em Setembro de 1939 – esses mesmos alemães certamente respeitariam a neutralidade holandesa e deixariam-nos em paz, tal como na Primeira Guerra Mundial. As advertências foram ignoradas. O adido militar holandês em Berlim, Major Bert Sas, que tinha um informante no alto escalão dos serviços secretos alemães, já tinha relatado várias vezes que uma invasão alemã era iminente, mas esses ataques haviam sido cancelados no último momento. Quando tentou desesperadamente alertar mais uma vez o governo nos dias que antecederam o 10 de Maio, seu aviso foi desdenhosamente ignorado. Os senhores governantes sabiam mais. Mesmo muito tempo após a invasão alemã, muitos destes senhores continuaram a acreditar que podiam argumentar com os alemães.

Não era esse o mundo em que viviam os meus pais, sua família e  seus amigos. Eles não tinham quaisquer ilusões sobre o regime de Hitler. No entanto, eles negligenciaram a fuga a tempo, enquanto Bram, o homem de negócios bastante apolítico, a fez. Mas mesmo os que mais conheciam as pessoas e a sociedade não conseguiram nesses anos ver a catástrofe chegar a tempo.

Sigmund Freud, que compreendeu mais do que ninguém as trevas, forças motrizes por detrás da tirania e da guerra, não tinha nenhuma percepção particular da política contemporânea. No início da Primeira Guerra Mundial, ele havia inicialmente saudado a ofensiva alemã, sob a ilusão de que uma guerra curta conduziria a uma vitória decisiva. Sua perspectiva mudou rapidamente. Após a anexação alemã da Áustria um quarto de século mais tarde, em 1938, ficou retido em Viena. Seus simpatizantes internacionais fizeram tudo o que estava ao seu alcance para tirá-lo da Áustria ocupada pelos nazistas. O presidente americano Franklin Delano Roosevelt, a princesa grega Marie Bonaparte, e o Ministro dos Negócios Estrangeiros inglês foram todos fundamentais neste esforço, junto com uma série de diplomatas ocidentais que pressionaram os nazistas para que deixassem Freud partir. Mas, inicialmente, ele não tinha vontade de sair. Quando a Gestapo finalmente permitiu sua saída, obrigaram-no a declarar por escrito que tinha sido bem tratado. Freud assinou a declaração. E com isso, escapou.

Claude Lévi-Strauss, talvez o antropólogo mais famoso do século XX, serviu brevemente no exército francês durante a mobilização para a guerra, em Maio de 1940. Em 22 de Junho, a França já havia se  rendido e Lévi-Strauss dispensado do serviço militar. Nessa altura, ele estava em Vichy, onde foi estabelecido um regime francês que trabalhava em colaboração com os nazistas. Ele queria regressar a Paris, que se encontrava agora na zona ocupada pela Alemanha. Para chegar lá, teve de solicitar uma autorização de viagem. O funcionário de serviço olhou para ele e disse: “com um nome como o seu, eu não iria para Paris neste momento”. Só então é que a gravidade da situação se fez sentir plenamente. Ele acabou por fugir para os Estados Unidos.

Mais um exemplo: quando Hitler tomou o poder em 1933, Norbert Elias, o sociólogo histórico que acabaria por publicar em 1939 uma grande obra intitulada Über den Prozess der Zivilisation (“O Processo Civilizador“), era o diretor interino da faculdade de sociologia da Universidade de Frankfurt, onde seu professor, Karl Mannheim dera aulas. Ela ficava no mesmo edifício onde a famosa Escola de Frankfurt de Theodor Adorno e Max Horkheimer também mantinha os seus escritórios. As tropas da SS invadiram-na quase imediatamente após Hitler ter tomado o poder. Mas Elias tinha se livrado, bem no último momento, da papelada que os estudantes esquerdistas tinham deixado e os oficiais das SS não encontraram nada.

Elias foi dispensado de seu cargo e não tinha mais perspectivas na Alemanha. Viajou para a Suíça, mas também lá não encontrou nenhuma oportunidade. Após algum tempo regressou a Breslau, a cidade onde os seus pais viviam, o que nessa altura ainda era possível. Em pouco tempo ele partiu para Paris, na esperança de aí assegurar uma posição acadêmica. Esse esforço também acabou por ser em vão. Ele tentou ganhar a vida como representante de vendas de uma pequena fábrica de brinquedos que tinha estabelecido com outros dois refugiados alemães. Ao mesmo tempo, continuou a recolher material para os seus estudos sobre a sociedade de corte e o processo civilizador. Durante uma curta estadia em Breslau, ele soube que poderia haver um trabalho adequado para ele na Inglaterra, pelo que foi e acabou por se instalar lá permanentemente.

Elias foi um observador excepcionalmente perspicaz da sociedade alemã na década de 1930. Ele teve um encontro com as SS muito cedo e percebeu que, como um sociólogo judeu e de esquerda, já não tinha um lugar na Alemanha. No entanto, suas andanças eram mais em procura de um trabalho adequado do que uma fuga para autopreservação.

No final de 1938, pouco depois da onda de terror de rua contra judeus e opositores políticos conhecidos como A noite dos cristais, os pais idosos de Elias vieram visitá-lo em Londres. Nessa altura, Elias já tinha tomado plena consciência da natureza assassina do nazismo. No entanto, mesmo então, ele ainda não podia imaginar que isso levaria à deportação em massa e ao extermínio sistemático de milhões de judeus e de tantos outros. Implorou aos seus pais que não regressassem à Alemanha, mas em vão. Seu pai afirmou: “Eu nunca fiz nada de errado. Por que eles me fariam alguma coisa?”. Ele morreu em 1940, em casa. A mãe de Elias foi deportada para Treblinka, onde foi morta numa câmara de gás. Ele nunca se perdoou por não ter conseguido convencer os seus pais a permanecerem em Inglaterra.

Muitos anos mais tarde, em meados da década de 1980, Elias escreveu um ensaio no qual procurava convencer os alemães de que a Alemanha permaneceria permanentemente dividida. Alguns anos mais tarde, o império soviético desmoronou e as Alemanhas Oriental e Ocidental foram reunificadas. Quando alguém mais tarde o confrontou com a sua falta de previsão, ele apenas riu.

Essa é exatamente a resposta certa. As pessoas simplesmente não podem prever o futuro. Só se pode rir dessa deficiência humana. O que é previsível, no entanto, é a virada que este ensaio vai agora tomar.

Há alguma lição a ser aprendida em Maio de 2020 a partir das circunstâncias completamente diferentes de Maio de 1940? O flagelo que agora aflige praticamente toda a humanidade, a pandemia do coronavírus, é desastroso, mas, em si mesmo, ainda não é catastrófico. Com o tempo, o risco de contágio diminuirá, embora os idosos e as pessoas com graves condições de saúde subjacentes tenham de continuar a se isolar, durante bastante tempo, de seus semelhantes, que por sua vez negligenciarão cada vez mais tomarem-nas em consideração. Tudo isso é bastante terrível, mas poderíamos viver com isso.

A fim de compreender melhor o curso dos acontecimentos, é necessário examinar a pandemia do coronavírus em seu contexto econômico e político mais vasto. No processo, emerge uma tríplice constelação que pode muito bem conduzir à catástrofe.

A atividade econômica diminuiu abruptamente na medida em que, nos últimos meses, milhares de milhões de pessoas foram colocadas em isolamento. O Estado interveio, prestando assistência social aos indivíduos e subsídios às empresas. Sob o nosso sistema de capitalismo tardio, o setor empresarial goza do melhor de dois mundos: colher lucros privados sob uma economia de mercado quando os tempos são bons, enquanto pode receber subsídios governamentais sob uma economia estatal quando os tempos são difíceis. As dívidas que o governo incorre como resultado disso representam dinheiro bem gasto. Se não interviessem, muito mais pessoas perderiam os seus empregos enquanto empresas iriam à falência por todo o lado. O governo abdicaria assim de ainda mais receitas fiscais, enquanto teria de prestar ainda mais assistência do que aquela pela qual se endividam atualmente. Mas mesmo na melhor das hipóteses, centenas de milhares, se não milhões, de pessoas irão sofrer perdas devastadoras devido à recessão econômica. E todas essas pessoas são eleitores.

A pandemia de coronavírus e a consequente recessão econômica representam duas das fases de um foguete em três estágios que pode atacar com força devastadora. Na terceira fase, a mudança política para a direita que já está em curso há algum tempo pode proliferar subitamente de forma muito mais ampla. Esta mudança para a direita é, por si só, bastante intrigante. Por que razão os cidadãos usaram seu direito de voto para restringir seus próprios direitos civis? Como líderes autoritários chegaram ao poder com o apoio dos eleitores em tantos países mais ou menos democráticos? Vladimir Putin, que foi eleito em 1999, foi um dos primeiros. Nos últimos 10 anos, seguiram-se Viktor Orbán na Hungria, Jaroslaw Kaczyński na Polônia, Rodrigo Duterte nas Filipinas, Narendra Modi na Índia, Donald Trump nos Estados Unidos e Jair Bolsonaro no Brasil, entre outros. O exemplo mais recente é Boris Johnson, no Reino Unido.

Partidos autoritário-populistas têm igualmente o vento a seu favor em praticamente todos os outros países democráticos. Embora as mulheres não estejam ausentes do movimento de direita, os seus líderes são, praticamente sem exceção, homens. Além disso, a masculinidade é algo que eles procuram ativamente exalar: por vezes através de comportamentos exageradamente masculinos, atléticos e militaristas; outras vezes agindo de forma mais palhaça e provocadora. Mas a personalidade do líder tem sempre precedência sobre sua agenda política. As figuras dirigentes da Nova Direita apresentam-se como a encarnação física de uma democracia direta na qual eles, os líderes, intuem, dão voz e cumprem a vontade do “eleitor”, sem a interferência de partidos políticos, órgãos representativos, ou outras instituições; sem as restrições impostas pela lei ou processos de deliberação; em comunhão direta com o povo. O povo, ou nação, é o conceito central e “nós” é a palavra-chave. Os líderes determinam quem constitui esse “nós”, bem como os “eles” a serem excluídos do mesmo. Pois para que o povo forme uma unidade coesa, então deve haver também “outros” que não pertencem. Estes são os elementos indesejáveis que, seja de dentro ou de fora, minam e corroem a força da nação. Assim, a nação está em perigo e a família sob ameaça. A nação precisa, portanto, de um líder forte, e cada família de um homem forte.    

O povo constitui um organismo constituído por células, ou seja, famílias. E é precisamente a família que está em perigo devido à astúcia dos agitadores de esquerda, ou seja, os marxistas culturais, que procuram corroer a sociedade no seu ponto mais delicado e frágil. Eles inventaram o feminismo como uma arma em sua batalha contra valores ocidentais duradouros, e as feministas, ingênuas como são, deixam-se usar sem suspeitas para este fim. Estes marxistas culturais estão também na vanguarda da propagação de todo o tipo de delírios da moda e monstruosidades artísticas que se destinam a destruir ainda mais a sua própria cultura nativa, ocidental e europeia.

Tal como o líder defende o povo que o segue, o homem como chefe de família protege sua esposa e filhos, que devem, portanto, apoiá-lo e obedecê-lo. A vocação da mulher é cuidar da sua família; seu papel é gestar e criar filhos brancos e saudáveis para reforçar o poder da nação.

Existe assim uma ameaça interna, mas também existem perigos externos. Imigrantes e requerentes de asilo vão “diluir” cada vez mais a base nativa da população. Haverá uma mudança demográfica radical, uma vez que os estrangeiros suplantarão completamente a população nativa a longo prazo. Há também a ameaça representada pelas organizações internacionais e, pior ainda, supranacionais: a pior de todas, a União Europeia. Estas restringem a autoridade do líder para traçar um rumo independente para o seu povo e para dar prioridade aos seus próprios interesses nacionais.

O movimento de direita contemporâneo prefere não ser muito explícito sobre tudo isto. Onde ainda não detêm as rédeas do poder, seus líderes ainda se encontram na fase de flerte. Assim, ocasionalmente elogiam os neonazistas, mas isso realmente não significaria nada. Saem para jantar com um extremista racista, mas isso não implicaria de forma alguma que concordam com ele. Têm toda a simpatia para com os bandidos que empurram veículos para atropelar grupos de manifestantes pacíficos, mas na realidade, desaprovariam a violência em princípio. “Sexista? Quem eu? De modo algum. Eu adoro as mulheres”!

Em suma, os direitistas de hoje, quer se chamem Trump, Johnson ou Baudet, são muito tímidos. Adoram uma piada ocasional e um golpe amigável aqui e ali. Nem tudo é para ser tão sério. Não, a seriedade só vem mais tarde, depois de se terem apoderado firmemente do poder. Mas com Trump, as coisas por vezes dão uma volta séria. Durante uma conferência de imprensa em 13 de Abril deste ano, disse o Presidente dos EUA: “Quando alguém é presidente dos Estados Unidos, a autoridade é total. É total”. Esta é a declaração de uma tomada de posse apresentada como um salto mental acidental.

Nenhuma destas tendências atualmente manifestadas é catastrófica em e por si mesma. É a combinação de pandemia, recessão e extremismo de extrema-direita que ameaça conduzir a uma catástrofe. E no horizonte, outra catástrofe que se move lentamente: o aquecimento global. Até agora, e durante alguns anos, a humanidade continua a viver com o tempo emprestado. Mas os direitistas em todo o lado negam a realidade da mudança climática induzida pelo homem e certamente não farão nada para a abrandar, apressando assim a chegada de uma catástrofe.

Nos países ricos, ocidentais, a pandemia do coronavírus estará, muito provavelmente, sob controle dentro de poucos meses. No entanto, haverá ainda surtos localizados, temporários aqui e ali, onde segmentos da população serão de novo colocados em isolamento, com todas as misérias que os acompanham. É difícil prever o que irá acontecer nos países mais pobres do Sul Global. Esperemos que os seus climas tropicais ajudem a limitar o impacto da pandemia. Mas se o vírus se espalhar lá com toda a força, então os países ricos terão de vir em seu auxílio, nem que seja pela preocupação de conter sua propagação global.

Nestes países mais ricos, a recessão econômica pode ser mais ou menos controlada com a intervenção governamental em uma escala sem precedentes. Se for bem sucedida, então os danos serão contidos. Se não for bem sucedida, ou apenas parcialmente, então um exército de reserva de trabalhadores desempregados será formado por pessoas que, apesar de nunca terem conhecido nada em suas vidas a não ser a prosperidade, caem agora subitamente na pobreza. Inúmeros proprietários de pequenas empresas irão à falência e o seu estatuto será reduzido ao de beneficiários da assistência social. Um vírus incontrolável de ressentimento irá se espalhar. Alguma coisa ou alguém terá de ser responsabilizado pelo desastre que os atingiu, sejam os chineses, um bilionário judeu ou a rede de 5G. A paranoia, o rancor e a xenofobia conduzem a vida emocional da extrema-direita.

Em tempos como esses, parece que os movimentos progressistas perderam a sua força. A direita está conduzindo a onda em praticamente todo o mundo. Um avanço num país desperta o entusiasmo no outro. O que acontece ali pode quase certamente ocorrer também aqui. Direitistas em cada país estão adotando as ideias e estratégias que têm se revelado bem sucedidas no estrangeiro. De um país para o outro, seguem-se nos meios de comunicação social e procuram estabelecer contato mútuo. Um campo global de energia política alinhada está assim tomando forma. O movimento de direita, que tão firmemente se opõe à globalização e que defende o direito à autodeterminação de todos os povos, tornou-se agora o mais global dos movimentos sociais, com as ideias mais semelhantes, os líderes mais homogêneos e a estratégia mais uniforme.

Os políticos de esquerda empalidecem um pouco em comparação com estes demagogos radicais e reacionários. Biden entedia as pessoas antes mesmo de proferir uma palavra; Trump é tudo menos entediante. Johnson é sempre bom para rir; Jeremy Corbyn era um chato enfadonho. Thierry Baudet é muito divertido e Lodewijk Asscher é cansativo e egocêntrico. Mas nenhum destes demagogos de direita está oferecendo soluções reais face à pandemia e à recessão.

Nos EUA e no Brasil, os populistas de direita liderados por Trump e Bolsonaro negam a realidade da pandemia de coronavírus. Eles praticam o tipo de obscurantismo puro que considera todo o conhecimento especializado como elitista; como uma ruptura da ligação emocional direta entre o líder e o seu povo. Quando se trata de política econômica, a extrema-direita é mais astuta. Os impostos são reduzidos, sobretudo para os mais ricos, e todos os regulamentos impostos ao setor empresarial para proteger os consumidores, os trabalhadores e o ambiente são abolidos, tudo sob o pretexto de que isto conduzirá a um crescimento econômico que aumentará as oportunidades para o “homem médio”. Todos argumentos ilusórios que, no entanto, são engolidos por inteiro por uma grande parte do eleitorado.

A pandemia do coronavírus constitui uma prova irrefutável da necessidade de intervenção do Estado. A crescente recessão demonstra as falhas do mercado livre e a necessidade de uma gestão supranacional, incluindo europeia, de crises. Tudo o que precisamos agora são ativistas e políticos progressistas que possam efetivamente convencer os eleitores disto. Esta é a única forma de impedir o avanço da extrema-direita.

Este processo em três fases de pandemia, recessão global e a propagação do extremismo de extrema-direita em todo o mundo pode muito bem provocar uma catástrofe da mesma magnitude que a anterior catástrofe global, que na Holanda começou há oitenta anos atrás, no dia 10 de Maio.

Olhando para o final da década de 1930, fica-se imediatamente impressionado pela forma como as coisas eram então diferentes em comparação com a situação atual. Mas as pessoas também tiveram então de tomar decisões em circunstâncias incrivelmente incertas. A primeira, a tendência mais humana, é a de não fazer nada. Claro que essa é uma escolha em si mesma: nomeadamente, continuar como se nada estivesse errado. Não será tão mau assim. Isso não pode acontecer aqui.

Com certeza, as pessoas nos países ricos e ocidentais vivem em paz, liberdade e prosperidade há 75 anos. Têm sido incrivelmente afortunados. Mas gerações que nunca conheceram nada diferente passaram a acreditar que é assim que as coisas são, que pessoas como elas estão destinadas a viver o tipo de existência privilegiada que passaram a tomar como certa. Pode parecer que as pessoas que vivem na pobreza, sob uma ditadura, ou no meio de conflitos armados pertencem a uma espécie totalmente diferente que simplesmente tem de suportar tais dificuldades, mas não há garantias de que tais coisas não possam acontecer também aqui.

“A crise leva muito mais tempo para vir do que se pensa, e então ela eclode muito mais depressa do que se imaginava”, segundo a Lei de Dornbusch, frequentemente citada por economistas. Embora muitas pessoas possam estar vagamente conscientes de alguma ameaça distante, não se pode viver num estado constante de medo. Assim, o problema é de timing: quando vai eclodir a crise? Não há uma resposta definitiva a essa pergunta. Mas um período como este, em que três tendências críticas se manifestam e se reforçam mutuamente, é de fato extremamente traiçoeiro.

Mesmo quando reconhecem o perigo, a maioria das pessoas está inclinada a acreditar que ele irá passar em breve.  Levando em consideração esta perspectiva histórica mais limitada, obtém-se subitamente uma compreensão muito melhor das pessoas que viveram durante a Segunda Guerra Mundial: “Confie em mim, a guerra terminará dentro de alguns meses”. As pessoas tendem a subestimar a duração de uma crise. Isso é normalmente uma coisa boa.

Durante os períodos de catástrofe, as pessoas esperam um milagre. E na era moderna, tais milagres vêm necessariamente da ciência. Será desenvolvida uma “arma milagrosa” que resolverá imediatamente a guerra, como os nazistas esperavam que fosse o caso com o seu incomparável foguete V2. De fato, foi desenvolvida uma arma sem precedentes que pôs fim à Segunda Guerra Mundial na Ásia com apenas dois golpes: a bomba atômica. Isso também marcou o início da Guerra Fria, que duraria quase meio século mais. As armas nucleares nunca mais foram utilizadas. A humanidade teve mais uma vez sorte, mas não pensem que isso significa que nunca mais poderão ser utilizadas. Durante a atual pandemia, uma nova cura milagrosa para o coronavírus é anunciada todas as semanas. Podemos muito bem descobrir uma cura eficaz a qualquer momento, mas também pode levar anos.

Não subestime os políticos de extrema-direita que se apresentam como palhaços, bufões e idiotas de aldeia, com os seus cabelos loucos e as suas ideias malucas. Adolf Hitler foi chamado de pintor de casas desvairado até ao final da década de 1930. Ele pode ter sido isso, mas também provou ser capaz de destruir grande parte da humanidade. Apesar de não pentear o cabelo, Boris Johnson conseguiu finalmente tirar o Reino Unido da UE. E embora essas mechas avermelhadas sejam implantes, Donald Trump está gradualmente destruindo o Estado de direito no seu próprio país e em todo o mundo.   

Todas as manobras mentais que as pessoas tendem a empregar em tempos de crise servem para manter o seu ânimo e para afastar ansiedades. É provavelmente impossível viver a vida sem quaisquer ilusões. Além disso, não existe uma base sólida para tomar decisões racionais durante tais momentos. Aqueles que não conseguiram sair a tempo em Maio de 1940 não tiveram um julgamento pior, mas apenas mais azar do que aqueles que conseguiram escapar a tempo. Palpite errado. A propósito, seria impossível fugir para outro lugar onde hoje em dia não há risco de contágio. Também não há lugar para fugir de uma recessão econômica.

Com base neste cálculo muito aproximado das probabilidades, parece plausível que a trindade de pandemia, recessão e ascensão do extremismo de direita conduza a uma catástrofe. Ninguém pode escapar dela e não há nada que alguém possa fazer. As ondas de multidões sem líderes e sem qualquer programa ou estrutura, que por breves instantes se manifestam nos meios de comunicação com os seus coletes amarelos, canções e slogans, irão em breve desvanecer-se uma vez mais sem terem alcançado quaisquer resultados duradouros. Mesmo o movimento Black Lives Matter, que ultimamente se tornou viral e global, pode evaporar dentro de poucos meses, tendo alcançado apenas vitórias simbólicas, reconhecidamente impressionantes, mas sem provocar mudanças duradouras, materiais e institucionais. A única opção que será verdadeiramente eficaz contra a ascensão da extrema direita é a ação coletiva em organizações sólidas, tais como sindicatos, grupos de interesse, partidos políticos… Que assim seja.

Tradução de Felipe Maia



Texto publicado originalmente na Thesis Eleven: Before the catastrophe: 1940 vs 2020, como parte do projeto online Living and Thinking the Crisis. Agradecemos à Thesis Eleven pela autorização da publicação.


Fios do tempo. O que pode o Apocalipse? – por André Magnelli

Hoje, quando começa nosso curso sobre Diante de Gaia de Bruno Latour, publicamos um pequeno escrito meu que propõe uma interpretação estética e teológico-política da experiência modernista de tempo e história, com suas desastrosas consequências ecológicas e políticas. Por que somos tão insensíveis às catástrofes em curso? Como podemos responder a elas? Proponho aqui, com… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A política de invisibilidade do Governo Bolsonaro – por Nelson Lellis

Como controlar sua imagem pública diante de um cenário de riscos fora do controle e um cenário de grave crise? Uma das formas de fazer isso é com uma política de invisibilidade. É isso que propõe o artigo de Nelson Lellis a partir de uma oportuna leitura do último livro do sociólogo do risco Ulrich… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Dar/receber/dar: um ciclo sagrado – por Diana IriArte

Tenho a alegria de trazer hoje outro artigo de outro intelectual colombiano, a psicóloga e escritora colombiana, Diana Patrícia IriArte. Para tocar as virtudes, é preciso fazê-lo com simplicidade e sensibilidade. Isto é o que Diana faz aqui, analisando cuidadosamente o ciclo de dar (de dar/receber/retribuir) em sua relação com a ética do cuidado e… Continuar Lendo →

Dar/recibir/dar: un bucle sagrado – por Diana Patricia IriArte

Tengo la gran alegría de traer hoy otro artículo de otro intelectual colombiano, la psicóloga y escritora Diana Patrícia IriArte. Para tocar las virtudes, hay que hacerlo con sencillez y sensibilidad. Esto es lo que hace Diana aquí, analizando cuidadosamente el ciclo de dar (de dar/recibir/dar) en su relación con la ética del cuidado y… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. La clave de Melquíades: abrir las puertas de una educación ladino-americana – por Gabriel Restrepo

Estoy muy contento de publicar hoy nuestro primer ensayo de Gabriel Restrepo sobre educación, ciencia y cultura, “La clave de Melquíades”. En este espléndido texto, que ganó el Premio Internacional de la Multi-Universidad Edgar Morin en Hermosillo, México, Restrepo hace un viaje narrativo sobre nuestra historia latinoamericana, haciendo uso del personaje Melquíades, de la novela… Continuar Lendo →

Deixe uma resposta

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: