Ciclo de Humanidades. O cuidado da liberdade: de qual coragem a vida precisa?

Proposta

Normalmente a coragem é pensada como uma virtude de épocas aristocráticas, a ser exercida por homens viris em tempos extraordinários. Porém, quando ela é somente pensada pela forma épica e associada só a feitos heroicos, esquecemos facilmente como a coragem se faz presente na vida individual e coletiva. Não seria a coragem uma virtude fundamental e uma experiência decisiva para a vida livre e a cultura democrática? Na ética assim como na política, na existência privada assim como na vida comunitária, não experimentamos a liberdade e não exercemos o cuidado de nós mesmos e dos outros sem que nos movamos de alguma forma pelo impulso da coragem.

Tendo o objetivo de refletir sobre esta virtude individual e democrática tão negligenciada em nosso pensamento contemporâneo, o próximo Ciclo de Humanidades, a ser realizado no dia 29 de outubro das 19 às 21h, se dedicará ao tema “O cuidado da liberdade: de qual coragem a vida precisa?”, com a presença de Vilma Piedade e Rubem Barboza Filho (UFJF). A entrevista deste encontro será feita com a psicanalista e filósofa Cynthia Fleury, autora de dezenas de livros, dentre eles La fin du courage: la reconquête d’une vertu démocratique (2010) e Reconquérir le courage (2017).

Data

29 de outubro (quinta-feira)

Horário

das 19 às 21h

Certificado

Será disponibilizado Certificado, pelo Ateliê de Humanidades/BiblioMaison, para participação neste evento. Caso haja participação de no mínimo 75% dos dias, será dado o certificado de participação no Ciclo de Humanidades como um todo.

Participantes da mesa-redonda


Entrevistada

Local

Sala disponível no Aplicativo Zoom para inscritos que queiram interagir com palestrantes e receber certificados. Inscrição obrigatória.

Streaming no Youtube para todos no canal do Bureau du livre de l’Ambassade de France au Brésil



Ciclo de Humanidades 2022. A responsabilidade frágil: responder com atenção e sensibilidade
No último encontro do Ciclo de Humanidades 2022, conversaremos sobre a outra …
Ciclo de Humanidades 2022. A escuta sensível: por uma arte que nos falta
Vivemos em uma sociedade da fala e do grito, onde todos querem …
Ciclo de Humanidades 2022. No tempo do sensível, segundo encontro: O teatro do mundo: quando o corpo se faz presente
Diante da virtualização das relações sociais e da informacionalização da sociedade, o …
Ciclo de Humanidades 2022. No tempo do sensível, primeiro encontro: Um pensar crioulo
A rodada "No tempo do sensível" tem por tema de partida a …
Ciclo de Humanidades 2022 – Além da crítica e indignação: ideias para renovar a democracia
Nos primeiros encontros do Ciclo de Humanidades 2020, refletimos sobre a crise …
Ciclo de Humanidades 2022 – Criticar, resistir, governar: refazer a política na era da desconfiança – com Alessandra Maia, Diogo Cunha e Felipe Maia
Após tratar dos populismos, aprofundaremos nosso debate sobre as democracias explorando um …
Ciclo de Humanidades 2022 – A democracia polarizada: navegando no século do populismo – com Pierre Rosanvallon, Christian Lynch e Tatiana Roque
Pelos vários cantos do mundo, as democracias estão em crise e se …
Ciclo de Humanidades 2022. A hora da democracia!? / No tempo do sensível
O Ciclo de Humanidades é realizado desde 2019 pelo Ateliê de Humanidades, …
A sabedoria importa: como aprender a viver/morrer? – Entrevista com André Comte-Sponville
Publicamos hoje, com legendas em português, a entrevista do filósofo francês André …

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: