Podcast. O direito à saúde em face ao coronavírus: um diálogo latino-americano

O República de Ideias, na continuidade da série de debates sobre o coronavírus, publica um episódio que discute o artigo do economista colombiano Hernando Sáenz Acosta. Nele, o autor reflete sobre o direito à saúde e a proposta convivialista em face aos desafios oriundos da pandemia em curso, trazendo para tanto uma análise da experiência de privatização ocorrida na Colômbia desde os anos 1990.

Com isso, Hernando gera uma importante reflexão cruzada: aos colombianos (e outros que sofreram um processo de privatização de seus sistemas de saúde) , é dada a oportunidade de refletir sobre a natureza do processo de privatização; e aos brasileiros, é dada a possibilidade de refletir sobre o sistema público de saúde e dos direitos sociais, antevendo quais seriam as consequências de uma privatização avançada.

Para garantir esse reflexão cruzada, também convidamos a pesquisadora e mestra em saúde coletiva pela UFF, Amanda Rodrigues. Ela nos apresenta um pouco da história e princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro. Destaca os desafios e as ameaças presentes, permitindo identificar as diferenças e similitudes com o caso colombiano.  

Por fim, temos a participação de Emmanuel Rapizo, que apresenta um panorama da estrutura da área de saúde no México.A conversa é sobre o ensaio que publicamos no Fios do tempo. Convidamos a todos que o leiam também: https://ateliedehumanidades.com/2020/03/30/fios-do-tempo-o-direito-a-saude-em-face-ao-coronavirus-reflexoes-a-partir-da-experiencia-colombiana-por-hernando-saenz-acosta/.

Desejamos uma boa escuta!

Apresentadores: André Magnelli e Emmanuel Rapizo

Convidados: Hernando Sáenz Costa (Universidade Santo Tomás – Bogotá, Colômbia) Amanda Rodrigues (Fiocruz)

Edição: Henrique Rapizo

Vinheta de abertura: Bruno Albert

Tópicos:

1. Saúde como direito ou saúde como mercadoria;
2. A montagem do sistema colombiano de saúde: como funciona, quais problemas? (Hernando Sáenz)
3. O Sistema único de Saúde no Brasil: como funciona e é percebido (Amanda Rodrigues)
4. O sistema mexicano: o desafio atual de construção de um sistema público (Emmanuel Rapizo)
5. Quais são os processos de privação em curso? Como se dá a relação entre público e privado no Brasil?
6. Modelo hospitalar e modelo de atenção primária
7. Efeitos positivos da descentralização do SUS no Brasil
8. Os desafios contemporâneos em meio à pandemia
9. Perspectivas desejadas para o pós-pandemia na Colômbia, no México e no Brasil.


Hernando Sáenz Acosta é economista, professor da Faculdade de Sociologia da Universidade Santo Tomás, Bogotá, Colômbia. Livre-investigador parceiro do Ateliê de Humanidades, é economista e doutor em planejamento urbano e regional, dedicado aos estudos urbanos desde uma perspectiva convivialista.


Amanda Rodrigues é pós-graduada na Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) e atualmente trabalha no Hospital de campanha da FIOCRUZ.


Siga o Ateliê de Humanidades nas redes sociais!

Twitter: https://twitter.com/AtelieHuman
Instagram: https://www.instagram.com/ateliedehumanidades/
Facebook: https://www.facebook.com/ateliedehumanidades/
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCcS3jWlBCrLvtcWgmgDcn1w/featured


Escolha algum dos armazenadores de podcast abaixo.
É só clicar!


Fios do Tempo. Religiosos que matam Deus: pode o sagrado ser encaixotado? – por Wellington Freitas

Depois dos artigos de Nelson Lellis sobre a antiética evangélica e a distração do capitalismo e de Fábio Costa sobre religião como religare ou relegere, chegamos ao ensaio de Wellington Freitas sobre a natureza do sagrado e sobre os “religiosos” que matam Deus ao encaixotá-lo. Nele, Wellington faz não apenas uma reflexão crítica sobre a… Continuar Lendo →

Pontos de Leitura. Capitalismo racket e a ascensão dos nazifascismos – Gabriel Cohn / Ricardo Musse

O Pontos de Leitura traz hoje dois textos sobre o livro Capitalismo sem peias de Ricardo Pagliuso Regatieri. Primeiramente, a orelha do livro, feita por Gabriel Cohn, e, depois, o prefácio escrito por Ricardo Musse. O livro de Ricardo é uma brilhante contribuição para compreender como os autores da Escola de Frankfurt analisaram a natureza… Continuar Lendo →

Livro. Capitalismo sem peias – por Ricardo Regatieri

Capitalismo sem peias:A crítica da dominação nos debates no Instituto de Pesquisa Social no início da década de 1940 e na elaboração da Dialética do Esclarecimento Apresentação (trecho de prefácio de Ricardo Musse) Capitalismo sem peias foi composto como uma daquelas obras da op art que muda de aspecto a cada deslocamento do observador. No caso, conforme o… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Religião como religar: mas religar o quê? – por Fábio Costa

Dando continuidade às nossas reflexões sobre religião, após o artigo de Nelson Lellis sobre a antiética evangélica e a distração do capitalismo, trazemos o texto de Fábio Costa sobre religião como “religar”: religar o quê, afinal? Com sua costumeira erudição, Fábio retoma o fio de um debate, partindo de Durkheim para recuperar a polêmica de… Continuar Lendo →

Fios do tempo. A antiética evangélica que ajuda a distrair o espírito do capitalismo – por Nelson Lellis

Nesta semana o Fios do Tempo traz uma série de artigos inéditos sobre religião. Começamos com mais um texto do sempre lúcido, bem informado e sagaz Nelson Lellis, que reflete sobre o recente perdão de dívidas das Igrejas evangélicas: como isso expressa a forma pela qual os evangélicos se relacionam com o capitalismo e o… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Movimento Anti-Utilitarista em Ciências Sociais (M.A.U.S.S.): o que é e como conhecer – por David Graeber e Frédéric Vandenberghe

Nesta semana nos despedimos do antropólogo David Graeber. Em sua homenagem trazemos um pequeno depoimento de Frédéric Vandenberghe (Núcleo de Pesquisa Sociofilo / IFCS-UFRJ), que foi seu amigo pessoal e colega em Yale. E publicamos dois pequenos posts: como convite para que conheçam a obra de Graeber, fizemos um Pontos de Leitura com uma relação de seus… Continuar Lendo →

Pontos de Leitura. Homenagem a David Graeber (1961-2020): depoimento e obra

Nesta semana nos despedimos do antropólogo David Graeber. Em sua homenagem trazemos um pequeno depoimento de Frédéric Vandenberghe (Núcleo de Pesquisa Sociofilo / IFCS-UFRJ), que foi seu amigo pessoal e colega em Yale. E publicamos dois pequenos posts: como convite para que conheçam a obra de Graeber, fizemos um Pontos de Leitura com uma relação… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A novíssima “nova direita” – Carlos A. Gadea

Semana passada realizamos um encontro do Ciclo de Humanidades sobre o conservadorismo e entrevistamos Jean-Yves Camus, especialista francês em movimentos de extrema direita, publicando também, aqui no Fios do tempo, um artigo de sua autoria. Na esteira destas atividades, trazemos agora um artigo de Carlos A. Gadea (professor da Unisinos) sobre a novíssima “nova direita”…. Continuar Lendo →

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: