Podcast. O direito à saúde em face ao coronavírus: um diálogo latino-americano

O República de Ideias, na continuidade da série de debates sobre o coronavírus, publica um episódio que discute o artigo do economista colombiano Hernando Sáenz Acosta. Nele, o autor reflete sobre o direito à saúde e a proposta convivialista em face aos desafios oriundos da pandemia em curso, trazendo para tanto uma análise da experiência de privatização ocorrida na Colômbia desde os anos 1990.

Com isso, Hernando gera uma importante reflexão cruzada: aos colombianos (e outros que sofreram um processo de privatização de seus sistemas de saúde) , é dada a oportunidade de refletir sobre a natureza do processo de privatização; e aos brasileiros, é dada a possibilidade de refletir sobre o sistema público de saúde e dos direitos sociais, antevendo quais seriam as consequências de uma privatização avançada.

Para garantir esse reflexão cruzada, também convidamos a pesquisadora e mestra em saúde coletiva pela UFF, Amanda Rodrigues. Ela nos apresenta um pouco da história e princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro. Destaca os desafios e as ameaças presentes, permitindo identificar as diferenças e similitudes com o caso colombiano.  

Por fim, temos a participação de Emmanuel Rapizo, que apresenta um panorama da estrutura da área de saúde no México.A conversa é sobre o ensaio que publicamos no Fios do tempo. Convidamos a todos que o leiam também: https://ateliedehumanidades.com/2020/03/30/fios-do-tempo-o-direito-a-saude-em-face-ao-coronavirus-reflexoes-a-partir-da-experiencia-colombiana-por-hernando-saenz-acosta/.

Desejamos uma boa escuta!

Apresentadores: André Magnelli e Emmanuel Rapizo

Convidados: Hernando Sáenz Costa (Universidade Santo Tomás – Bogotá, Colômbia) Amanda Rodrigues (Fiocruz)

Edição: Henrique Rapizo

Vinheta de abertura: Bruno Albert

Tópicos:

1. Saúde como direito ou saúde como mercadoria;
2. A montagem do sistema colombiano de saúde: como funciona, quais problemas? (Hernando Sáenz)
3. O Sistema único de Saúde no Brasil: como funciona e é percebido (Amanda Rodrigues)
4. O sistema mexicano: o desafio atual de construção de um sistema público (Emmanuel Rapizo)
5. Quais são os processos de privação em curso? Como se dá a relação entre público e privado no Brasil?
6. Modelo hospitalar e modelo de atenção primária
7. Efeitos positivos da descentralização do SUS no Brasil
8. Os desafios contemporâneos em meio à pandemia
9. Perspectivas desejadas para o pós-pandemia na Colômbia, no México e no Brasil.


Hernando Sáenz Acosta é economista, professor da Faculdade de Sociologia da Universidade Santo Tomás, Bogotá, Colômbia. Livre-investigador parceiro do Ateliê de Humanidades, é economista e doutor em planejamento urbano e regional, dedicado aos estudos urbanos desde uma perspectiva convivialista.


Amanda Rodrigues é pós-graduada na Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) e atualmente trabalha no Hospital de campanha da FIOCRUZ.


Siga o Ateliê de Humanidades nas redes sociais!

Twitter: https://twitter.com/AtelieHuman
Instagram: https://www.instagram.com/ateliedehumanidades/
Facebook: https://www.facebook.com/ateliedehumanidades/
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCcS3jWlBCrLvtcWgmgDcn1w/featured


Escolha algum dos armazenadores de podcast abaixo.
É só clicar!


Lançamento do Segundo Manifesto Convivialista

Na próxima quarta-feira, 25 de novembro, às 11h da manhã (Brasília), teremos o lançamento do “Segundo Manifesto Convivialista: por um mundo pós-neoliberal“, publicado pelo Ateliê de Humanidades Editorial. Sendo fruto da colaboração entre as redes conviviais internacional e brasileira, após ter sido publicado na França com quase 300 assinaturas, o Manifesto vem a público agora… Continuar Lendo →

Livro. Segundo Manifesto Convivialista (lançamento do e-Book / pré-lançamento do livro)

Segundo Manifesto Convivialista:por um mundo pós-neoliberal Internacional Convivialista (lançamento do e-Book / pré-lançamento do livro) Apresentação Nada é mais urgente que elaborar um pensamento e uma inteligibilidade do mundo alternativos àqueles que o neoliberalismo soube impor a todo o planeta. Nós precisamos de uma filosofia política, e essa não pode consistir em um simples retorno… Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades. Bem vindos à humanidade digital?

Chegamos ao último encontro do Ciclo de Humanidades 2020! Ele ocorrrá na próxima quinta-feira, 26 de novembro, com o tema “Bem-vindos à humanidades digital?”. Nos vemos lá! Apresentação Questão As sociedades humanas se encontram em meio a um devir digital. Quais são suas consequências sobre a cultura, a educação e o debate público? Deveremos dar… Continuar Lendo →

Fios do tempo. O que pode o Apocalipse? – por André Magnelli

Hoje, quando começa nosso curso sobre Diante de Gaia de Bruno Latour, publicamos um pequeno escrito meu que propõe uma interpretação estética e teológico-política da experiência modernista de tempo e história, com suas desastrosas consequências ecológicas e políticas. Por que somos tão insensíveis às catástrofes em curso? Como podemos responder a elas? Proponho aqui, com… Continuar Lendo →

Lançamento da Revista REALIS na Universitá degli studi di Salerno, Itália

Em 16 de novembro (próxima segunda-feira), às 11 horas de Brasília (15h de Roma), será realizado o lançamento do dossiê “A pandemia em um mundo complexo e global: pós-colonialidade e solidariedade em perspectivas”, do número 2020.1 da Revista de Estudos Antiutilitaristas e Pos-Coloniais (REALIS), realizado pela Universitá degli studi di Salerno, Dipartimento di Studi Politici… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A política de invisibilidade do Governo Bolsonaro – por Nelson Lellis

Como controlar sua imagem pública diante de um cenário de riscos fora do controle e um cenário de grave crise? Uma das formas de fazer isso é com uma política de invisibilidade. É isso que propõe o artigo de Nelson Lellis a partir de uma oportuna leitura do último livro do sociólogo do risco Ulrich… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Dar/receber/dar: um ciclo sagrado – por Diana IriArte

Tenho a alegria de trazer hoje outro artigo de outro intelectual colombiano, a psicóloga e escritora colombiana, Diana Patrícia IriArte. Para tocar as virtudes, é preciso fazê-lo com simplicidade e sensibilidade. Isto é o que Diana faz aqui, analisando cuidadosamente o ciclo de dar (de dar/receber/retribuir) em sua relação com a ética do cuidado e… Continuar Lendo →

Dar/recibir/dar: un bucle sagrado – por Diana Patricia IriArte

Tengo la gran alegría de traer hoy otro artículo de otro intelectual colombiano, la psicóloga y escritora Diana Patrícia IriArte. Para tocar las virtudes, hay que hacerlo con sencillez y sensibilidad. Esto es lo que hace Diana aquí, analizando cuidadosamente el ciclo de dar (de dar/recibir/dar) en su relación con la ética del cuidado y… Continuar Lendo →

Deixe uma resposta

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: