Fios do Tempo. A resistência ao fascismo tabajara – Luiz Werneck Vianna

Diante da escalada autoritária, Luiz Werneck Vianna expõe com clareza a natureza do problema político que ameaça hoje a democracia brasileira e conclama a nossa resistência. Ele argumenta que o desígnio autoritário tem por alvo a Constituição de 88, com sua inspiração nos modernos Estados de direito democráticos e nas redes de direitos e de proteção social, pois pretende removê-los em favor de interesses e projetos de extração neoliberal. Neste ordenamento, as funções do poder Judiciário foram ampliadas para salvaguardar a Carta, mas necessitam da escora da sociedade civil e de seus movimentos, que apesar de suas divisões internas e das limitações decorrentes da pandemia, precisam se reunir e se fazer ouvir.

Desejamos uma excelente leitura, ou escuta!

Felipe Maia & André Magnelli
Fios do Tempo, 01 de junho de 2020




A resistência ao fascismo tabajara

Rio de Janeiro, 31 de maio de 2020

Soam por toda parte os sinais de perigo e os toques de reunir. Forças malévolas que nos sitiavam, espreitando nossos movimentos e confiantes na pandemia que nos obriga, em defesa da vida, a evitar as manifestações nos espaços públicos, um recurso importante do nosso repertório defensivo, calcularam ter chegado a hora do assalto às nossas posições. Não há por que tergiversar, o risco é real e seu nome é fascismo – tabajara, mas fascismo –  que nos ronda desde os anos 1930, derrotado por duas vezes, em 1945 e 1985, mas nunca erradicado, entranhado como está em nossa história de modernização capitalista autoritária.

Fernando Gabeira, em iluminado artigo no Estado de São Paulo na edição de 29 do corrente mês, a rigor um manifesto, bendiz o dom de receber na derradeira fase da sua bela trajetória pessoal a missão de lutar pela democracia. Tal missão a todos, de todas as gerações, é confiada nesse momento difícil em que a sociedade se vê acuada pelo flagelo de uma epidemia letal. Hegel dizia que a escravidão somente era possível quando o bem da vida se punha acima do bem da liberdade. Nosso caso não é tão dramático, mesmo confinados contamos com espaços de liberdade e recursos para uma livre comunicação por meio da internet, conquista civilizatória ao alcance de todos. 

Gabeira está consciente disso e dos limites que nos atam diante dos imensos recursos das forças que nos sitiam, mas os homens pensam e criam, e os desafios que nos confrontam exigem imaginação e inventividade. O caso da favela paulista Paraisópolis e de outras comunidades populares nos servem como paradigmas exemplares, a organização por conselhos, por sovietes, formas clássicas presentes em lutas populares, bem celebradas na obra de Hannah Arendt, ensinam caminhos a serem percorridos.

Em suas ações de defesa da vida, ameaçadas pela difusão da epidemia que a todos assola, as comunidades populares têm encontrado o apoio em círculos externos a elas, intelectuais solidários, pessoas e instituições de boa vontade, especialmente na Universidade e nos seus especialistas em saúde pública e técnicas de organização social. Surgem dessas inovações uma trama promissora, ainda em embrião, a combinar a agenda da defesa da vida com a da liberdade, pauta dos intelectuais ameaçados tanto pela pandemia como pela escalada autoritária em curso que tem como alvo o mundo da cultura e seus valores.

Tal descoberta para se impor na vida social depende da manifestação da vontade, muito particularmente da Universidade, que conta em seus quadros com especialistas capazes de levarem a termo a sua difusão mesmo nas circunstâncias adversas em que todos nos encontramos. A propósito, vale lembrar os protestos atuais contra a violência policial na sociedade americana – um caso extremo em que cidadãos se arriscam ao contágio pelo vírus diante da luta por liberdade –, exposta como a nossa à pandemia. Aqui, estamos começando a aprender a nos reunir e deliberar pela internet.

Decerto que a resistência nessa escala minimalista não tem o condão de opor uma linha forte de resistência ao avanço crescente do autoritarismo, embora em si mesma ela represente um reforço possível da sociedade civil e de suas ações. O reduto principal do sistema defensivo da nossa democracia está nas instituições que herdamos da Carta de 88, principal foco do assédio autoritário em suas tentativas cada vez mais intensas no sentido de neutralizá-las e, no limite, erradicá-las. O poder judiciário, um poder desarmado escorado apenas em sua autoridade moral, somente poderá resistir ao assédio de que é objeto se encontrar sustentação na opinião pública, nas instituições da sociedade civil e nos movimentos sociais que animam a vida popular. Sobretudo na disposição de reiterar aqui o esforço exemplar dos cidadãos americanos nos dias que correm de defesa intransigente dos seus direitos constitucionais.

Para uma defesa eficaz contra os perigos que nos rondam, não basta inventariar os recursos de força com que contamos, morais e organizativos, entre os quais os entes federativos refratários à escalada autoritária que se prepara para um golpe final em nossa democracia. A reunião do nosso sistema de defesa requer imperativamente a capacidade de sobrepor o interesse comum, qual seja, o de evitarmos o abismo que se abriria diante de nós se permitirmos a ocupação do nosso país por forças estrangeiras à sua história e às suas tradições de perseguir os fins de uma obra civilizatória. Torna-se necessário também compreender a que aspiram as forças que nos antagonizam e a lógica que organiza sua movimentação.

O triunfo da coalizão de forças heterogêneas na sucessão presidencial contou como uma de suas palavras chave a ideologia do neoliberalismo, por meio da qual atraiu o apoio decidido das elites econômicas, especialmente das financeiras e agrárias, presença dominante no capitalismo brasileiro atual. Com essa marca de batismo, o novo governo nasce em antagonismo com a Constituição, de concepção, em seus traços principais, socialdemocrata. Remover a Carta, considerada como entrave aos seus fins econômicos, tornou-se assim um objetivo estratégico do governo Bolsonaro em seu projeto de capitalismo de estilo vitoriano, endossado por seu ministério, tendo à frente a anacrônica presença do ministro Paulo Guedes.

Em razão da arquitetura da Carta, que confiara a defesa dos direitos que criara a uma rede complexa de instituições, ao estilo da Constituição americana e com elementos importados do sistema alemão, a ser sustentada, em última instância, pelo Poder Judiciário, em particular no Supremo Tribunal Federal, o regime Bolsonaro identificou de pronto o inimigo a ser confrontado. O teatro das operações ora em curso estava armado, e a palavra de ordem “Delenda est Carthago” com que os romanos preparavam sua guerra de extermínio contra a sua cidade rival pelo domínio do mar Mediterrâneo, encontra sua tradução nos desígnios do atual governo de defenestrar o Poder Judiciário do sistema político, entregue apenas à jurisdição dos conflitos privados. 

A vontade do poder, encarnada no chefe da nação, não vai reconhecer obstáculos à sua manifestação, leitura privilegiada dos desígnios de Deus, da pátria e da família. Com pandemia e contra todos os riscos, com o que há de melhor em nós, acima de todas as diferenças entre nós, não podemos aceitar isso.


Luiz Werneck Vianna é sociólogo e professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).


Artigo. O método desta loucura – Por: Luiz Werneck Vianna

Lançamos hoje nossa tribuna “FIOS DO TEMPO”, que é um espaço dedicado a pensar e discutir questões do tempo presente, com temas variados e em formato livre (ensaio, crônica, artigo, etc.). Temos a alegria de publicar como lançamento um artigo do sociólogo Luiz Werneck Vianna (PUC-RJ). Sendo reconhecido como um dos principais intérpretes da civilização… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A bancada da Bíblia bancando inquisição? – por Thiago Pacheco

No início de maio, foi aprovado com urgência na Câmara dos Deputados um projeto de lei que proíbe o uso do nome “Bíblia” ou “Bíblia Sagrada” em “qualquer publicação impressa e/ou eletrônica com conteúdo (livros, capítulos e versículos) diferente do já consagrado há milênios pelas diversas religiões Cristãs”. A motivação principal de seu propositor são… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A coragem de ideias fortes: uma homenagem a Luiz Pinguelli Rosa – por André Magnelli

Preparando-me para a palestra que farei próxima semana no Coloquio 100 años de Pablo González Casanova com a presença dos colegas Jaime Preciado Coronado e Jaime Torres Guillén, organizada pelo Centro Universitario de Ciencias Sociales y Humanidades da Universidad de Guadalajara, México, lembrei-me de que havia escrito há muito tempo uma resenha sobre o livro… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. O que é a Teoria Crítica da Colonialidade (TCC): uma brevíssima apresentação – por Paulo Henrique Martins

Logo mais, às 14h (Brasília/Buenos Aires, GMT-3), teremos o segundo encontro de lançamento do livro Critical Theory of Coloniality, de Paulo Henrique Martins (Routledge, 2022). Tendo a mediação de André Magnelli e a presença de Paulo, será uma mesa com Adrián Scribano, Jaime Rios, Stéphane Dufoix e Breno Bringel (infelizmente, por razões de saúde, Nora Garita… Continuar Lendo →

#064 República de ideias – Ressonâncias e convivialidades: um debate com Alain Caillé e Hartmut Rosa

Hoje temos um episódio especial no República de Ideias! Você ouve o “Seminário Internacional. Ressonâncias e convivialidades”, organizado pelo Ateliê de Humanidades em parceria com o Centro de Estudos Avançados da Universidade Federal de Permanbuco (CEA-UFPE). O Seminário contou com a presença de Hartmut Rosa e Alain Caillé. Os dois conversaram com André Magnelli, Paulo… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Por uma crítica do populismo em nome de mais (e não menos) democracia – por Felipe Maia

Na última quinta-feira, tivemos o primeiro encontro do Ciclo de Humanidades 2022 com o tema “A democracia polarizada”. Conversamos sobre o livro “O século do populismo: história, teoria, crítica” (Ateliê de Humanidades Editorial, 2021), tendo a presença do próprio autor Pierre Rosanvallon. O vídeo está disponível com os áudios originais no canal da BiblioMaison; depois,… Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades 2022 – A democracia polarizada: navegando no século do populismo – com Pierre Rosanvallon, Christian Lynch e Tatiana Roque

Pelos vários cantos do mundo, as democracias estão em crise e se tornam polarizadas por líderes e movimentos ditos “populistas”. Mas o que são mesmo os populismos? O que eles estão nos dizendo sobre o que não vai bem conosco? Como podemos navegar nas águas revoltas da crise democrática sem afundar em “democraturas”? Como fazer… Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades 2022. A hora da democracia!? / No tempo do sensível

O Ciclo de Humanidades é realizado desde 2019 pelo Ateliê de Humanidades, o Escritório do Livro da Embaixada da França no Brasil & a BiblioMaison. Após um total de 26 encontros e 12 entrevistas de 2019 a 2021, chegamos em nosso quarto ano com o Ciclo de Humanidades 2022. Ele será em formato híbrido (presença… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Zelensky sem narrativas: por um realismo do povo comum, por Jeudiel Martinez

Após um interregno em que estávamos fechando alguns dos próximos livros do Ateliê de Humanidades Editorial e também da Biblioteca Básica Latino-Americana (BBLA), retomamos as publicações do Fios do Tempo trazendo mais uma análise sobre a Guerra na Ucrânia. Inicialmente, havíamos publicado a entrevista do sociólogo russo Greg Yudin sobre “O que se passa na… Continuar Lendo →

Book launch – Critical Theory of Coloniality, by Paulo Henrique Martins (Routledge, 2022) – with Gurminder Bhambra, Sergio Costa, Alain Caillé, Joanildo Burity, Nora Garita, Jaime Rios, Stéphane Dufoix, Breno Bringel, Alfredo Gomes, Paulo Henrique Martins and André Magnelli

Paulo Henrique Martins’ book Critical Theory of Coloniality, published in Portuguese in 2019 by Ateliê de Humanidades Editorial, now has its English edition by Routledge. Launched this April, Critical Theory of Coloniality reveals how critical social theory currently opens up to a pluriversal perspective constructed through a dialogue between the Global South and the Global… Continuar Lendo →

Lançamento do livro – Critical Theory of Coloniality, de Paulo Henrique Martins (Routledge, 2022) – com Gurminder Bhambra, Sergio Costa, Alain Caillé, Joanildo Burity, Nora Garita, Jaime Rios, Stéphane Dufoix, Breno Bringel, Alfredo Gomes, Paulo Henrique Martins e André Magnelli

O livro Teoria Crítica da Colonialidade, de Paulo Henrique Martins, publicado em 2019 pelo Ateliê de Humanidades Editorial, tem agora sua edição em inglês pela Routledge. Lançado neste mês de abril, Critical Theory of Coloniality revela como a teoria social crítica se abre atualmente para uma perspectiva pluriversal construída através de um diálogo entre o… Continuar Lendo →

Um comentário em “Fios do Tempo. A resistência ao fascismo tabajara – Luiz Werneck Vianna

Adicione o seu

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: