Fios do Tempo. A resistência ao fascismo tabajara – Luiz Werneck Vianna

Diante da escalada autoritária, Luiz Werneck Vianna expõe com clareza a natureza do problema político que ameaça hoje a democracia brasileira e conclama a nossa resistência. Ele argumenta que o desígnio autoritário tem por alvo a Constituição de 88, com sua inspiração nos modernos Estados de direito democráticos e nas redes de direitos e de proteção social, pois pretende removê-los em favor de interesses e projetos de extração neoliberal. Neste ordenamento, as funções do poder Judiciário foram ampliadas para salvaguardar a Carta, mas necessitam da escora da sociedade civil e de seus movimentos, que apesar de suas divisões internas e das limitações decorrentes da pandemia, precisam se reunir e se fazer ouvir.

Desejamos uma excelente leitura, ou escuta!

Felipe Maia & André Magnelli
Fios do Tempo, 01 de junho de 2020




A resistência ao fascismo tabajara

Rio de Janeiro, 31 de maio de 2020

Soam por toda parte os sinais de perigo e os toques de reunir. Forças malévolas que nos sitiavam, espreitando nossos movimentos e confiantes na pandemia que nos obriga, em defesa da vida, a evitar as manifestações nos espaços públicos, um recurso importante do nosso repertório defensivo, calcularam ter chegado a hora do assalto às nossas posições. Não há por que tergiversar, o risco é real e seu nome é fascismo – tabajara, mas fascismo –  que nos ronda desde os anos 1930, derrotado por duas vezes, em 1945 e 1985, mas nunca erradicado, entranhado como está em nossa história de modernização capitalista autoritária.

Fernando Gabeira, em iluminado artigo no Estado de São Paulo na edição de 29 do corrente mês, a rigor um manifesto, bendiz o dom de receber na derradeira fase da sua bela trajetória pessoal a missão de lutar pela democracia. Tal missão a todos, de todas as gerações, é confiada nesse momento difícil em que a sociedade se vê acuada pelo flagelo de uma epidemia letal. Hegel dizia que a escravidão somente era possível quando o bem da vida se punha acima do bem da liberdade. Nosso caso não é tão dramático, mesmo confinados contamos com espaços de liberdade e recursos para uma livre comunicação por meio da internet, conquista civilizatória ao alcance de todos. 

Gabeira está consciente disso e dos limites que nos atam diante dos imensos recursos das forças que nos sitiam, mas os homens pensam e criam, e os desafios que nos confrontam exigem imaginação e inventividade. O caso da favela paulista Paraisópolis e de outras comunidades populares nos servem como paradigmas exemplares, a organização por conselhos, por sovietes, formas clássicas presentes em lutas populares, bem celebradas na obra de Hannah Arendt, ensinam caminhos a serem percorridos.

Em suas ações de defesa da vida, ameaçadas pela difusão da epidemia que a todos assola, as comunidades populares têm encontrado o apoio em círculos externos a elas, intelectuais solidários, pessoas e instituições de boa vontade, especialmente na Universidade e nos seus especialistas em saúde pública e técnicas de organização social. Surgem dessas inovações uma trama promissora, ainda em embrião, a combinar a agenda da defesa da vida com a da liberdade, pauta dos intelectuais ameaçados tanto pela pandemia como pela escalada autoritária em curso que tem como alvo o mundo da cultura e seus valores.

Tal descoberta para se impor na vida social depende da manifestação da vontade, muito particularmente da Universidade, que conta em seus quadros com especialistas capazes de levarem a termo a sua difusão mesmo nas circunstâncias adversas em que todos nos encontramos. A propósito, vale lembrar os protestos atuais contra a violência policial na sociedade americana – um caso extremo em que cidadãos se arriscam ao contágio pelo vírus diante da luta por liberdade –, exposta como a nossa à pandemia. Aqui, estamos começando a aprender a nos reunir e deliberar pela internet.

Decerto que a resistência nessa escala minimalista não tem o condão de opor uma linha forte de resistência ao avanço crescente do autoritarismo, embora em si mesma ela represente um reforço possível da sociedade civil e de suas ações. O reduto principal do sistema defensivo da nossa democracia está nas instituições que herdamos da Carta de 88, principal foco do assédio autoritário em suas tentativas cada vez mais intensas no sentido de neutralizá-las e, no limite, erradicá-las. O poder judiciário, um poder desarmado escorado apenas em sua autoridade moral, somente poderá resistir ao assédio de que é objeto se encontrar sustentação na opinião pública, nas instituições da sociedade civil e nos movimentos sociais que animam a vida popular. Sobretudo na disposição de reiterar aqui o esforço exemplar dos cidadãos americanos nos dias que correm de defesa intransigente dos seus direitos constitucionais.

Para uma defesa eficaz contra os perigos que nos rondam, não basta inventariar os recursos de força com que contamos, morais e organizativos, entre os quais os entes federativos refratários à escalada autoritária que se prepara para um golpe final em nossa democracia. A reunião do nosso sistema de defesa requer imperativamente a capacidade de sobrepor o interesse comum, qual seja, o de evitarmos o abismo que se abriria diante de nós se permitirmos a ocupação do nosso país por forças estrangeiras à sua história e às suas tradições de perseguir os fins de uma obra civilizatória. Torna-se necessário também compreender a que aspiram as forças que nos antagonizam e a lógica que organiza sua movimentação.

O triunfo da coalizão de forças heterogêneas na sucessão presidencial contou como uma de suas palavras chave a ideologia do neoliberalismo, por meio da qual atraiu o apoio decidido das elites econômicas, especialmente das financeiras e agrárias, presença dominante no capitalismo brasileiro atual. Com essa marca de batismo, o novo governo nasce em antagonismo com a Constituição, de concepção, em seus traços principais, socialdemocrata. Remover a Carta, considerada como entrave aos seus fins econômicos, tornou-se assim um objetivo estratégico do governo Bolsonaro em seu projeto de capitalismo de estilo vitoriano, endossado por seu ministério, tendo à frente a anacrônica presença do ministro Paulo Guedes.

Em razão da arquitetura da Carta, que confiara a defesa dos direitos que criara a uma rede complexa de instituições, ao estilo da Constituição americana e com elementos importados do sistema alemão, a ser sustentada, em última instância, pelo Poder Judiciário, em particular no Supremo Tribunal Federal, o regime Bolsonaro identificou de pronto o inimigo a ser confrontado. O teatro das operações ora em curso estava armado, e a palavra de ordem “Delenda est Carthago” com que os romanos preparavam sua guerra de extermínio contra a sua cidade rival pelo domínio do mar Mediterrâneo, encontra sua tradução nos desígnios do atual governo de defenestrar o Poder Judiciário do sistema político, entregue apenas à jurisdição dos conflitos privados. 

A vontade do poder, encarnada no chefe da nação, não vai reconhecer obstáculos à sua manifestação, leitura privilegiada dos desígnios de Deus, da pátria e da família. Com pandemia e contra todos os riscos, com o que há de melhor em nós, acima de todas as diferenças entre nós, não podemos aceitar isso.


Luiz Werneck Vianna é sociólogo e professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).


Artigo. O método desta loucura – Por: Luiz Werneck Vianna

Lançamos hoje nossa tribuna “FIOS DO TEMPO”, que é um espaço dedicado a pensar e discutir questões do tempo presente, com temas variados e em formato livre (ensaio, crônica, artigo, etc.). Temos a alegria de publicar como lançamento um artigo do sociólogo Luiz Werneck Vianna (PUC-RJ). Sendo reconhecido como um dos principais intérpretes da civilização… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Perfil de um mestre: Humberto Maturana Romecín (1928-2021) – por Marcelo Arnold-Cathalifaud

Ontem o grande mestre Humberto Maturana nos deixou, que é reconhecido por ter sido, juntamente com Francisco Varela, o teórico da “autopoiesis”. Sua contribuição, com a teoria dos seres vivos e a biologia da cognição e do amor, é trandisciplinar, influencia tanto as ciências naturais quanto as humanas. Em sua homenagem, publicamos o texto do… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Semblanza de un maestro: Humberto Maturana Romecín (1928-2021) – por Marcelo Arnold-Cathalifaud

Ayer despedimos al gran maestro Humberto Maturana, reconocido por haber sido, junto a Francisco Varela, el teórico de la “autopoiesis”. Su aportación, con la teoría de los seres vivos y la biología de la cognición y el amor, es trandisciplinar, influyendo tanto en las ciencias naturales como en las humanidades. En su honor, publicamos el… Continuar Lendo →

Live. Em busca de um país: reencontro com Celso Furtado – com lançamento de “Correspondências intelectuais”

Na próxima quinta-feira (06 de maio), o Ateliê de Humanidades realizará um reencontro com um dos maiores intelectuais da história de nosso país, o economista Celso Furtado, com participação de Rosa Freire d’Aguiar, Marcos Costa Lima, Paulo Henrique Martins e André Magnelli. Na mesa-redonda “Em busca de um país”, buscaremos refletir sobre a obra de… Continuar Lendo →

Curso Livre Virtual. O amor como ação coletiva / El amor como acción colectiva – com Adrian Scribano

Presentación En contraposición de la normalización global del disfrute inmediato a través del consumo, la internacionalización del miedo y la ansiedad, el surgimiento de la “post-verdad”, y la desconfianza respecto de la política, un análisis sistemático del amor como práctica intersticial se evidencia como una huella clara para comprender las sociedades contemporáneas. La esperanza, la… Continuar Lendo →

1st Congress of the International Network of Sociology of Sensibilities (RedISS) / Grupo de Trabalho 14: Dádiva, sensibilidades e emoções

On the 23rd, 24th and 25th of June the International Network of Sociology of Sensibilities is holding its Congress “Trust, Crisis and Social Science”. Organized in 18 Working Groups, the Congress hopes to contribute to developing renewed horizons to put academic production in contact with the construction of trust in today’s society. The Working Group… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Entrevista com Elena Pulcini – Paixões empáticas para um mundo vulnerável

Em homenagem, trazemos hoje no Fios do Tempo, na forma de texto e áudio-leitura, a entrevista da socióloga e filósofa italiana Elena Pulcini, que nos deixou no mês de março de 2021, vitimada pela Covid-19. A entrevista foi feita pela socióloga Silvia Cataldi (Universidade de Roma / Social One). Esta linda entrevista foi feita por… Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades 2021. E a vida, o que é? Um diálogo entre mitologia, filosofia e ciência

Proposta “Lembra-te que tu és vivo” (Edgar Morin) Gonzaguinha nos interpelava em seu famoso samba: “e a vida o que é? Diga lá, meu irmão…”. A pergunta sobre o que é a vida converge todos os saberes e quereres, pois sua resposta diz respeito ao que somos nós, qual nosso lugar no cosmos, com quem… Continuar Lendo →

Ciclo de Humanidades 2021. Recompor os fios da vida

O que é o Ciclo de Humanidades? O Ciclo de Humanidades: ideias e debates em filosofia e ciências sociais é realizado desde 2019 pelo Ateliê de Humanidades & o Consulado da França no Rio de Janeiro/BiblioMaison. Após a realização de um total de 18 encontros com distintos temas (10 em 2019 e 8 em 2020)… Continuar Lendo →

Entrevista com François Dubet. Será que a escola pode salvar a democracia?

Publicamos agora a última entrevista legendada em português do Ciclo de Humanidades 2020: ideias de debates em filosofia e ciências sociais, que o Ateliê de Humanidades & a BiblioMaison/Consulado da França no Rio de Janeiro realizam mensalmente desde o início de 2019. No contexto do encontro “Os fins do humano: pensar o sentido da educação… Continuar Lendo →

#053 República de ideias – Bello, pintando o sete (III) Os gritos dos povos, ainda e sempre

Está no ar o terceiro episódio de nossa entrevista com o artista franco-pernambucano Sérgio Bello. Depois de “Do Recife Colonial ao Grito de Eros” e “Profetas de outrora, profetas de agora“, entramos agora em uma nova fase da obra de Sérgio, que se dedica a expressar estética e plasticamente os gritos dos povos diante da… Continuar Lendo →

Um comentário em “Fios do Tempo. A resistência ao fascismo tabajara – Luiz Werneck Vianna

Adicione o seu

Deixe uma resposta

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: