Pontos de leitura. Temor, liberdade e direito comum, por Baruch de Espinosa (1632-1677)

É, com efeito, certo que os homens por inclinação da natureza conspiram, seja por causa de medo comum, seja pelo desejo de vingar algum dano comumente sofrido. E uma vez que o direito da cidade se define pela potência comum da multidão, é certo que a potência e o direito da cidade diminuem na medida... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. A disposição antiutilitarista da amizade, resistir à calúnia e buscar o bem (3), por Aristóteles

As amizades baseadas na utilidade se dissolvem assim que deixa de haver vantagem nelas, porque estes não são amigos um do outro, mas do ganho que podem lucrar um do outro. É possível que se estabeleçam relações de amizade que tenham como fim em vista o prazer e a utilidade [...] Contudo, uma amizade que tem... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. A amizade e o amor como cimentos vitais da complexidade humana, por Edgar Morin

Em  nosso mundo humano onde são e se tornam tão potentes as forças de separação, isolamento, ruptura, deslocamento, ódio, antes que sonhar com a harmonia geral ou com o paraíso, vale muito mais reconhecer a necessidade vital, social e ética da amizade, da afeição e do amor para os humanos que, sem isso, viveriam em... Continuar Lendo →

Pontos de leitura: amizade, querer bem e confiança (2), por Aristóteles

A amizade perfeita existe entre os homens de bem e os que são semelhantes a respeito da excelência. Estes querem-se bem uns aos outros, de um mesmo modo. E por serem homens de bem são amigos dos outros pelo que os outros são. Estes são assim amigos, de uma forma suprema. Na verdade querem para... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. O viver poeticamente e a efêmera beleza do mundo, por Edgar Morin

Viver de prosa é apenas sobreviver. Viver é viver poeticamente. O estado poético é um estado de participação, comunhão, fervor, festa, amizade, amor que inflama e transfigura a vida. Ele faz viver o grande fogo na consumação (Bataille), e não no pequeno fogo do consumo. O estado poético traz em si a qualidade da vida,... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. A luta fundamental pela autocrítica, por Edgar Morin

A luta fundamental da autocrítica é contra a autojustificação. Por todo lado e sem cessar, funciona a máquina cerebral de se inocentar, de se legitimar e de fazer uma estátua de si mesmo. A vida cotidiana e a vida pública são feitas de autojustificações que se chocam cegamente umas com as outras. E quando a... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. Recomendação de “Solidariedade e organização: pensar uma outra gestão”, livro de Philippe Eynaud e Genauto Carvalho de França Filho

No jornal francês Le Monde, no último dia 28 de fevereiro, saiu o  artigo de Margherita Nasi sobre o excelente livro Solidarité et organisation: penser une autre gestion, escrito por Genauto Carvalho de França Filho (Escola de Administração da UFBA) e Philippe Eynaud (IAE Paris-Sorbonne Business School), publicado recentemente na França pela Éditions erès (2019).... Continuar Lendo →

Pontos de leitura: a amizade como o maior dos bens (1), por Aristóteles

De fato, [a amizade] é uma certa excelência, ou algo de estreitamente ligado à excelência; além disso, é do que mais necessário há para a vida. Pois ninguém há de querer viver sem amigos, mesmo tendo todos os restantes bens. E até os ricos, os que têm posição e poder, têm uma necessidade extrema de... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. Sugestão de “A Estetização do mundo. Viver no capitalismo artístico”, de Lipovetsky e Serroy

Para além das aparências, os autores ressaltam que a era transestética, hipermoderna, hiperconsumista traz em si ilusões, sedutoramente amparadas no que eu denomino, em minha pesquisa, "condição estética do ser humano". Aos olhos dos autores, o capitalismo artista paradoxalmente opera mais como um oxímoro do que como um ogro que devora os próprios filhos. E, como tal, paga o preço de sua sobrevivência com crises e catástrofes que entrecortam sua história.

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: