Pontos de Leitura. Todo amor verdadeiro interessa a toda a humanidade, por Alain Badiou

Quem não começa pelo amor jamais saberá o que é a filosofia: esta é a intuição fundamental de Platão. No amor, há a experiência da passagem possível da pura singularidade do acaso a um elemento que tem um valor universal. Aprende-se, com ele, que podemos experimentar o mundo a partir da diferença, e não apenas... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. Processador ou humano? Como a transparência nos conduz a um “corredor vazio” – por Byung-Chul Han

Em minhas leituras de Byung-Chul Han, encontrei uma passagem que pode esclarecer a questão das ansiedades e da síndrome de pânico. Ao tratar da sociedade da aceleração, ele trata da diferença entre processador e procissão. Esta última está ligada à narração. Quando ele fala da importância da narração para a densidade semântica, Chul Han evidencia... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. A fome de amor e alegria – por Herman Hesse

Velha cantiga A celebração das grandes festas universais representa, para o cidadão comum de nossa época, a única concessão ao ideal. Festeja o Ano Novo, que lhe lembra a transitoriedade da vida, a rápida fuga do tempo, balançando a cabeça, se cético, ou suspirando, se sentimental. A Páscoa e Pentecostes celebra como festas da primavera... Continuar Lendo →

Pontos de Leitura. O poeta come amendoim, por Mário de Andrade

Pontos de Leitura. O poeta come amendoim, por Mário de Andrade - Achado de Lindoberg Campos

Pontos de leitura. Nem imbecil feliz, nem infeliz imbecil: compreender a época em que vivemos – Luc Ferry

Do mesmo modo que a consciência infeliz, tão bem descrita por Hegel, tendemos a ver na história apenas o que desmorona e morre, quase nunca o que surge e ganha vida. Daí  nossa tendência ao pessimismo, tendência tão forte que dá asas ao pensamento negativo. Ao contrário do otimismo, sempre um pouco tolo, uma visão... Continuar Lendo →

Pontos de leitura. Coração ao alto!, ou como a melhor maneira de viajar é sentir – por Fernando Pessoa

Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir. Sentir tudo de todas as maneiras. Sentir tudo excessivamente, Porque todas as coisas são, em verdade, excessivamente E toda a realidade é um excesso, uma violência, Uma alucinação extraordinariamente nítida Que vivemos todos em comum com a fúria das almas, O centro para onde tendem as estranhas... Continuar Lendo →

Pontos de Leitura. O imperceptível prazer da serenidade: ou como resistir à agitação negativa, por Michel de Montaigne

Pontos de Leitura. O imperceptível prazer da serenidade: ou como resistir à agitação negativa, por Michel de Montaigne

Pontos de Leitura. Sob a direção da razão e a generosidade do amor, ou como destruir o ciclo do ódio recíproco, por Baruch de Spinoza

Pontos de Leitura. Sob a direção da razão e a generosidade do amor, ou como destruir o ciclo do ódio recíproco, por Baruch de Spinoza

Pontos de leitura. Sobre politização do judiciário, ou nas origens do “populismo impolítico”

Excerto de: André Magnelli. À prova do populismo. In: "Uma democracia (in)acabada". p. 202-203. "o populismo impolítico possui uma lógica diferente, que não tem paralelismo tão estreito com o cesarismo. Tratam-se aqui de outros atores, aqueles que servem de contrapeso ao poder executivo e ao legislativo; a tal ponto que ele pode se tornar uma... Continuar Lendo →

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: