Fios do Tempo. Hic Rhodus hic salta – por Luiz Werneck Vianna

Na coluna de hoje, Werneck Vianna examina as consequências dos conflitos e da mudança de rumos na política norteamericana, que encerra um ciclo e implica na perda de sustentação de movimentos inspirados no “trumpismo” no globo. No Brasil, a tragédia humanitária exige solução mais ofensiva por parte dos atores políticos, que deve passar pela pauta do impeachment de Bolsonaro.

Boa leitura!

Felipe Maia
Fios do Tempo, 17 de janeiro de 2021



Hic Rhodus hic salta

Nesse tempo de espantos algo já se pode dizer: perderam todos os que se empenharam em imprimir uma marcha à ré no movimento das coisas no mundo com a derrota no processo eleitoral de Donald Trump, que os liderava a partir do poder e da influência que o governo dos EUA exerce na cena mundial. Em poucos dias, Joe Biden, cuja campanha se orientou por princípios opostos de política externa será ungido com a faixa presidencial, devolvendo o seu país ao seu leito natural historicamente constituído, exemplar no processo de criação da ONU.  O eixo do mal, portador de versões degradadas do nacionalismo em moldes populistas, perde a sustentação do pino que garantia seu funcionamento, e as peças que ainda lhe restam não terão como operar sem o amparo do sistema de quem faziam parte.

Cerra-se um ciclo que se iniciou no governo Thatcher, aprofundou-se com Reagan e culminou com Donald Trump, em que se tentou com a fórmula neoliberal nos devolver ao capitalismo vitoriano. As promessas de um novo tempo, contudo, se encontram embaçadas pelo flagelo da pandemia que nos assola e tolhe a livre movimentação das forças sociais embora estimulem a procura por soluções cooperativas supranacionais. Nesse sentido, o esforço mobilizado para o combate contra ela ainda mais reforça o processo de transição em que estamos envolvidos para uma era de superação do modelo de estado-nação em favor de organizações multinacionais que se comprometam com os ideais da igual-liberdade.

Essa transição não será um processo fácil. À sua frente poderosos obstáculos, políticos, sociais e econômicos, como se constatou dramaticamente com a insurreição frustrada da invasão do Capitólio quando se intentou obstar a certificação das eleições por um golpe de mão. O cenário dantesco daquele episódio foi registrado ao vivo e a cores, e seu macabro inventário tem sido exposto pela imprensa americana com a identificação dos seus personagens, conformando um quadro assustador de supremacistas brancos, neonazistas, de milicianos, de uma gente sem eira e beira, inflada pela cólera do ressentimento social, escória cevada com as bênçãos do governante do país.

Conduzir essa transição demanda soluções enérgicas e criativas que destravem seu caminho. A primeira resposta contundente foi a do impeachment de Trump, que contou com a aprovação de 10 votos de representantes republicanos, e as que devem ser apresentadas por Biden em seu discurso de posse no próximo dia 20 em nome do que ele sustenta serem os remédios para a cura da alma americana da doença do trumpismo que teria posto em risco os valores fundacionais da sua sociedade.

Tal como testemunha o caso brasileiro, mais do que uma patologia própria aos EUA o trumpismo se constituiu em um sistema. Sua derrocada importará em efeitos de dominó nos países que integravam sua constelação, entre os quais o Brasil, contudo a necessária admissão dessa nova condicionante da política brasileira, bem longe de recomendar uma postura quietista, de cega confiança de que a mudança no estado de coisas da nossa realidade possa provir do mundo exterior, deve servir de estímulo aos esforços de erradicação do trumpismo tupiniquim.

O princípio da realidade nos aconselha a constatar as dificuldades políticas e sociais que se antepõem a esse necessário e inafastável empreendimento diante da gravidade das circunstâncias a que estamos expostos. Mas, em que pesem as restrições, inclusive as impostas pela pandemia que dificulta os encontros e as mobilizações no espaço público, são necessários os primeiros passos na longa marcha que se tem pela frente, pois não se podem dar as costas à fortuna que nos alicia para a ação. Caso contrariada por um ator surdo às suas mensagens, ela pode nos entregar à nossa própria má sorte com o resultado nefasto de prolongar o abjeto governo que aí está.

A tragédia amazônica, se permanecermos inertes, será o destino de todos se nos faltar o alento para a reconquista do que nos tem sido subtraído pelo governo Bolsonaro em suas práticas demofóbicas e antidemocráticas. A investida das forças democráticas, na hora atual, deve ter como objetivo principal a defesa da vida e de todas as instituições da área da saúde que se empenham contra a orientação genocida imposta pelas autoridades governamentais, ora representada pela bizarra inépcia do ministro Pazzuelo.

Nessa direção, o movimento ofensivo deve transcorrer nas esferas institucionais, incluído o poder judiciário, com ênfase especial no Congresso, a que não pode faltar o recurso ao impeachment de Bolsonaro, principal responsável pela catástrofe sanitária do país, movimento a ser respaldado pelas agências da sociedade civil por meio de manifestos, panelaços e do que mais estiver à mão.

Cassandras nos aconselham a não partir para o mar alto, e nos relembram dos políticos liliputianos com que contamos, mas não nos vem de João Doria, governador de São Paulo, de perfil e robusto histórico conservador, a qualificação de Bolsonaro como facínora? Não se faz política sem alma, remoendo cálculos intermináveis de avaliação de forças esperando dos céus uma chuva que não vem, pois sempre chega a hora do hic Rhodus hic salta. Pois ela chegou. Já contamos mais de 200 mil mortos, basta, fora.

Luiz Werneck Vianna é sociólogo e professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).


Fios do Tempo. A longa tragédia brasileira – por Luiz Werneck Vianna

Na contribuição desta semana, Werneck Vianna discorre sobre a tragédia da democracia brasileira que, não tendo desatado alguns de seus nós fundamentais, tem sido condenada, tal como no mito de Sísifo, a refazer continuamente seu caminho. Esse retorno sisífico à democracia agora se expressa pela necessidade política de uma frente democrática que seja capaz de… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. As nossas duas pragas – Luiz Werneck Vianna

No artigo que ora apresentamos, Luiz Werneck Vianna propõe um conciso balanço do ano terrível de 2020, em que fomos assolados por duas pragas, a Covid-19 e o bolsonarismo. Ele indica também que os caminhos de sua superação devem passar pela revalorização da ciência e pela renovação da política. Como registra o autor, “sem triunfalismo,… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Retomar o fio da meada – por Luiz Werneck Vianna

O artigo de Luiz Werneck Vianna que ora apresentamos é ele próprio uma “lufada de ar fresco” em conjuntura tão nebulosa, identificando nas eleições municipais alguns dos movimentos que podem ajudar a “retomar o fio da meada” do processo de democratização que vem se perdendo com a radicalização da agenda neoliberal no governo Bolsonaro. Desejamos… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Não há mal que sempre dure – Luiz Werneck Vianna

O texto de Luiz Werneck Vianna que ora apresentamos nos oferece uma perspectiva sobre a conjuntura política recente do país, identificando as ameaças à democracia e aos recursos de proteção social que foram constituídos pela Constituição de 1988. Ele aponta para o cerne do projeto autoritário que se articulou a partir da derrocada de nosso… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. A resistência ao fascismo tabajara – Luiz Werneck Vianna

Diante da escalada autoritária, Luiz Werneck Vianna expõe com clareza a natureza do problema político que ameaça hoje a democracia brasileira e conclama a nossa resistência. Ele argumenta que o desígnio autoritário tem por alvo a Constituição de 88, com sua inspiração nos modernos Estados de direito democráticos e nas redes de direitos e de… Continuar Lendo →

Artigo. O método desta loucura – Por: Luiz Werneck Vianna

Lançamos hoje nossa tribuna “FIOS DO TEMPO”, que é um espaço dedicado a pensar e discutir questões do tempo presente, com temas variados e em formato livre (ensaio, crônica, artigo, etc.). Temos a alegria de publicar como lançamento um artigo do sociólogo Luiz Werneck Vianna (PUC-RJ). Sendo reconhecido como um dos principais intérpretes da civilização… Continuar Lendo →

A hora dos intelectuais* – Por: Luiz Werneck Vianna

Caem os véus e já se divisa a situação de risco a que seremos submetidos
A hora dos intelectuais* – Por: Luiz Werneck Vianna

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: