Podcast. Os nós do bolsonarismo: uma conversa sobre laços, embaraços e confusões do novíssimo fascismo tabajara

O República de ideias publica hoje, na forma de podcast e vídeo, uma conversa sobre nosso fascismo tabajara ou cesarismo tropical. Felipe Maia (UFJF), Emmanuel Rapizo e André Magnelli conversam sobre a conjuntura política contemporânea e os possíveis desdobramentos do governo Bolsonaro, analisando os “nós” do bolsonarismo compostos pelos laços, embaraços e confusões entre Bolsonaro, os militares, o empresariado, os cidadãos e as instituições políticas.

Isso é feito dialogando com dois textos publicados no Fios do tempo: “A resistência ao fascismo tabajara“, de Luiz Werneck Vianna, e “Crise e ameaça cesarista“, de Felipe Maia.

Desejamos uma excelente escuta!

Tópicos

– A contribuição de L. Werneck Vianna para a compreensão do Bolsonarismo: o fascismo tabajara como forma de novo liberalismo;
– Reflexões sobre quem são os grupos empresariais que apoiam Bolsonaro; seus interesses e representações;
– Como o conceito de cesarismo permite entender a concepção de representação do presidente e seus seguidores?
– Comparações com o contexto mexicano;
– Os militares e o governo: tentando desatar nós e desvendar certos enigmas;
– O bolsonarismo: como nasceu do judiciarismo e se voltou contra o judiciário?
– Será possível projetar cenários do que ocorrerá com o governo?


Equipe

Apresentadores: André Magnelli e Emmanuel Rapizo
Convidado: Felipe Maia (UFJF)

Produção e edição audiovisual: Henrique Rapizo
Vinheta de abertura: Bruno Albert
Direção de produção: Emmanuel Rapizo
Direção geral e concepção editorial: André Magnelli


Escolha algum dos armazenadores de podcast abaixo.
É só clicar!


Apoie o Ateliê de Humanidades

Assim você colabora para a manutenção e o crescimento de uma instituição de livre estudo e pesquisa que tem por missão renovar as humanidades pelo artesanato intelectual, mediar encontros entre intelectuais, líderes, organizações e cidadãos e promover o debate público esclarecido e a cultura democrática.



Ciclo de Humanidades 2022. No tempo do sensível, segundo encontro: O teatro do mundo: quando o corpo se faz presente

Diante da virtualização das relações sociais e da informacionalização da sociedade, o corpo parece pouco comparecer no fazer do mundo de cada dia. Contudo, a presença performativa dos corpos nas relações consigo mesmo, com os outros e com o mundo é parte essencial da vida humana e social. O corpo se faz presente na teatralidade… Continuar Lendo →

Conversa virtual. O populismo no tribunal da razão?

Na semana que antecede o primeiro turno das eleições estaduais e federais, faremos a conversa virtual “O populismo no tribunal da razão?”, com a presença de Daniel Tourinho Peres (Departamento de Filosofia, UFBA) e Wendel Antunes Cintra (Centro de Estudos e Pesquisas em Humanidades, UFBA). Em diálogo com o livro “O século do populismo: história,… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Transformar a educação em face à Inteligência Artificial – por Cédric Villani et al.

Estando a preparar minha palestra sobre “Os saberes necessários à educação de nosso tempo“, que ministrarei nesta quinta-feira (22/09) no município de Porciúncula, no interior do estado do Rio de Janeiro, revisitei o texto “Transformar a educação”, que é um capítulo do relatório do governo francês “Dar um sentido à inteligência artificial. Por uma estratégia… Continuar Lendo →

#069 Criticar, resistir, governar – Ciclo de Humanidades com Diogo Cunha, Alessandra Maia e Felipe Maia

Nesse episódio, trazemos o segundo encontro do Ciclo de Humanidades 2022, intitulado “Criticar, resistir, governar: refazer a política na Era da Desconfiança”, com participação de Diogo Cunha (UFPE, tradutor de Pierre Rosanvallon pelo Ateliê de Humanidades Editorial), Alessandra Maia (PUC-RJ) e Felipe Maia (UFJF). Nele pudemos conversar sobre um tema do livro “A contrademocracia: a… Continuar Lendo →

Fios do tempo. Dar asas a uma filosofia educativa – por André Magnelli (prefácio a “A propósito do labirinto)

O livro “A propósito do labirinto”, de Marcus Tadeu, é um relato de memórias narradas com a arte de um contador de histórias. Em meu prefácio, proponho que ele nos traz uma filosofia educativa para uso nas escolas prisionais, e em todo nosso sistema de educação. Poupo minhas palavras neste editorial, para que você possa… Continuar Lendo →

Atividades de lançamento de “Crise e crítica: sobre as frágeis fundações da vida social” – de Rodrigo Cordero

Nesta semana que se segue ao plebiscito sobre a constituição do Chile e em que se comemora a Independência do Brasil, teremos uma série de atividades presenciais com o sociólogo chileno Rodrigo Cordero, feitas no IFCS-UFRJ, na PUC-RJ e na UFJF. Elas fazem parte do lançamento do livro “Crise e crítica: sobre as frágeis fundações… Continuar Lendo →

Fios do Tempo. Complicar a democracia: vigiar, impedir, julgar – por Diogo Cunha (apresentação a “A Contrademocracia”, 2022)

No contexto de publicação pelo Ateliê de Humanidades Editorial de “A contrademocracia: a política na era da desconfiança” (2022), trazemos agora no Fios do Tempo a apresentação do tradutor Diogo Cunha, que expõe as teses do livro à luz da obra de Pierre Rosanvallon e dos acontecimentos políticos dos últimos anos no Brasil. “A Contrademocracia”… Continuar Lendo →

Deixe uma resposta

por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: