No reino de Momo, rir é coisa séria

De segunda a sexta, José Maria de Jesus sai às 6h de Nilópolis para trabalhar na av. Rio Branco. Pai de duas crianças, ele vende bolsas femininas como camelô. José torce pela Beija-Flor. “Para mim, o mais bonito desfile da nossa escola de samba foi Ratos e Urubus, com Joãozinho Trinta, em 1989”, lembra com... Continuar Lendo →

Agonies of the public sphere in times of Narcissus

Narcissus finds it ugly what is not a mirror and hates what, being public, has no face. Today’s public life is exciting, agitated and even activist. However, the fact that it is intense, it does not necessarily mean it is well; quite the contrary, it may signal that it is agonizing.

Robots that can create art!?

By Liz Ribeiro In October, 2018, the painting entitled “Portrait of Edmond De Belamy” was auctioned at Christie’s in New York for the price of 432 thousand dollars. This event itself did not represent anything extraordinarily new for the art world, since works of art are auctioned at art galleries all over the world on... Continuar Lendo →

Da força da grana que ergue e destrói coisas belas – Ateliê de Humanidades para o Jornal do Brasil

Morrer é natural, mas morrer em condição aviltante não é. Se o primeiro caso nos submete à resignação, o segundo nos afronta. A morte natural, sabemos, pertence à ordem do Criador, mas aquela que nos humilha, aquela que nos desdenha, pertence a homens públicos que arrancaram, com sua absurda violência de lucro, o sentido mais digno da pessoa humana. A matança em Brumadinho, Minas Gerais, nos assombra. Os assassinos não merecem perdão.

Robôs que criam arte!? – Ateliê de Humanidades para o Jornal do Brasil

Robôs que criam arte!? - Ateliê de Humanidades para o Jornal do Brasil Por: Liz Gomes Ribeiro

Cadernos do Ateliê. Concepções que precederam a noção de matéria (1939), Por Marcel Mauss

 “A História Antropológica de um Ponto de Vista Tecnológico”

A Série, publicada em Fascículos pelos Cadernos do Ateliê, do Ateliê de Humanidades, tem o propósito de disponibilizar ao grande público ensaios de “antropologia das tecnologias”. Ela tem o intuito de publicar, principalmente, traduções de textos clássicos da história da antropologia (e de suas ciências irmãs, como a arqueologia e a etologia) que tenham assumido uma posição do “ponto de vista tecnológico”. Pretendemos trazer também ensaios contemporâneos que trabalham com uma abordagem antropológica das técnicas, dos objetos técnicos e das tecnologias.

No segundo fascículo da série trazemos o artigo de Marcel Mauss, Concepções que precederam a noção de matéria (1939).
Por: André Magnelli e Jayme Gomes Neto

Sob o olhar de Luzia – Ateliê de Humanidades para o Jornal do Brasil

Sob o olhar de Luzia seguimos o rumo sem prumo; num barco sem mastro, numa estrada sem guia, numa terra onde a lei do mais forte e valente parece ser o norte. Busca-se entender o que é o humano e se ainda Luzia poderá vislumbrar a centelha do último elemento da caixa de Pandora a conduzir-nos por novas veredas.

Repatriarcalização do Brasil – Ateliê de Humanidades para o Jornal do Brasil

Repatriarcalização do Brasil Por: Paulo Henrique Martins - Professor de Sociologia da UFPE, ex-presidente da Associação Latino-Americana de Sociologia (ALAS) e Livre-pesquisador parceiro do Ateliê de Humanidades

É hora de privatizações? – Ateliê de Humanidades para o Jornal do Brasil

O Brasil vive um momento peculiar de aversão ao Estado, momento este criado pela Operação Lava a Jato e outras similares...
Por: Marcello Magnelli*

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: