Por um falar verdadeiro na vida democrática – Artigo de André Magnelli para o Jornal do Brasil

Em tempos de marqueteiros políticos, fake news robotizadas e políticas de “vale tudo”, soa ingênuo reivindicar a necessidade de uma fala verdadeira na vida democrática. Mas, como mostrou P. Rosanvallon, todo governo democrático tece sua legitimidade sobre os frágeis fios da confiança, entremeados por uma fala pública comprometida com a veracidade. Um bom governante deve falar sempre e fazer um bom uso da fala, pois o discurso público é fundamental para constituir laços de compreensão mútua e uma realidade compartilhada. Isso permite que as ações públicas se tornem legíveis e que se instituam horizontes de significados que enlaçam passado, presente e futuro. Caso contrário, a política se torna nada mais do que puro e simples discurso cínico do poder e exercício vulgar de dominação. 

Falar verdadeiramente é crescer o domínio dos cidadãos sobre a sua existência e sobre o governo; falar falsamente é amplificar o hiato existente. Hoje em dia, há um lado esquecido da corrupção, expresso num cinismo generalizado. Nós não estamos corrompidos apenas quando recebemos propina ou fazemos negociatas ilícitas; somos corrompidos, de modo mais radical, quando não temos nada mais de ético quando falamos, agimos e vivemos. As lutas partidárias e as operações policiais acabam por não nos deixar ver o óbvio: o abismo da corrupção existencial da qual nem a polícia nem a Justiça podem nos tirar, somente nossa ação política é capaz de fazer isso. Um bom político deve ser quem estabelece uma relação de confiança, sem dissimular o ato ou mentir por palavras; é quem fala francamente, sem manipulações, maquiagens e cálculos; é quem tem um cuidado de dizer as coisas tais como elas são; e, sobretudo, de viver em conformidade com o que diz. Um político que se fia na bajulação de próximos, na cegueira de seguidores e na ignorância de eleitores é um mau governante, independentemente do sucesso eleitoral e da perenidade de carreira. Sua vitória é uma derrota moral, não apenas individual, mas, principalmente, coletiva: é o fracasso de uma comunidade política em viver democraticamente. 

Os iniciados em filosofia já reconhecem minha inspiração: aludo às lições de parresía na Grécia, retomadas pelo filósofo M. Foucault. O “parresiasta” se engaja impulsionado pela mola “do se dar no que diz e do ser no que se fala”, adquirindo, com isso, um poder de convicção irresistível que, em tempos extraordinários, chega a articular o seu destino individual com o da sociedade. Claro, sabemos que há perigos em tal postura: expor-se à detração, à exclusão, à perseguição, ao ostracismo e mesmo à execução. Quem tem compromisso com a fala franca deve ser prudente. É recomendado que não tenha medo paralisante diante de uma maioria tirânica, de uma minoria ativamente autoritária ou de reações calculadas do opositor. No entanto, se o perigo existe, que jamais minta para sobreviver ou seduzir; que opte por se silenciar à espera de oportunidade para falar o que deve ser dito. Nesse sentido, ele é contrário ao demagogo. É franco não quem fala sempre a verdade e nunca erra, mas aquele que, quando se equivoca, sabe reconhecer o erro e se retratar. Ridículo se torna quem persiste errando ou reafirma, de forma compulsiva, a mesma mentira diante de um público que já sabe o que se passou. Dele é exigido apenas um dos mais dignos bens públicos: ser honesto com os outros e consigo mesmo. 

Não é preciso ser ingênuo. Não existe uma forma de garantir a verdade absoluta de um falar e a veracidade de quem o diz. Impor isso é criar um regime totalitário. Além disso, o falar é minado pela dualidade: nas eleições, uma linguagem da sedução, da polêmica e das boas intenções; após, a das coerções e da prova pela ação. Assim, os populistas parecem ser francos, mas eles vendem um engodo: falam para agradar, prometem o que não podem. O discurso é negado logo após a tomada de posse. E é comum que persista negando que havia mentido e que nunca quis fazer o que prometeu. A culpa será dos outros. 

Como batalhar, então, em prol de um falar verdadeiro? Pelo engajamento-cidadão. Contra as mentiras, desconstruindo-as passando pelo crivo do método (fact checking e word checkers). Contra os monólogos, defendendo debates substantivos, construindo organizações civis que fomentem o discurso franco, argumentado e programático. E contra o moralismo de “cidadãos de bem” ou do “politicamente correto”, assumindo que o falar verdadeiro não é negar a política, mas sim aceitar que ela é uma tentativa – impossível, mas desejada – de conciliar os ideais com o real, jamais podendo ser pautada por meras “boas intenções”. 

É chegada a hora da fala franca. Precisamos de mais atores – políticos, intelectuais, jornalistas e cidadãos – que sejam reconhecidos pela franqueza e atitude democrática, que vivam de forma coerente e resgatem o sentido do público. Que eles ocuparão a vida política, isso não é certo; afinal, a política é a arte de viver com o imprevisível, e nada garante que o necessário está porvir.

 

Link para o Jornal do Brasil:

http://www.jb.com.br/artigo/noticias/2018/05/02/por-um-falar-verdadeiro-na-vida-democratica/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: