O que os populismos querem dizer – Artigo de André Magnelli para o Jornal do Brasil

O espectro do populismo assombra o mundo. A democracia liberal faz nascer de seu interior movimentos ditos “populistas”. Na América do Sul, muito se fala da relação da esquerda com o populismo, com exemplos vindos da Argentina, da Venezuela, da Bolívia, do Equador, do Brasil etc. Movimentos de esquerda de outras partes são associados também ao populismo (de modo nem sempre justo), como o ex-candidato democrata Bernie Sanders; o Podemos, na Espanha; e o Syriza, na Grécia. O cenário mundial, porém, é marcado pelo avanço de um populismo de direita. Na Europa, ele está no poder (Hungria e Polônia) ou avança em seu rumo (Áustria, Finlândia, Inglaterra, França, Alemanha e países escandinavos) chegando a compor, em alguns casos, coalizões no poder. Na Itália, terra de Berlusconi, um baluarte do populismo, assistimos à ascensão do Movimento Cinco Estrelas e de seu comediante Beppe Grillo, que assume o poder em aliança com o partido xenófobo Liga. Fora da Europa, vemos Trump, nos EUA; Erdogan, na Turquia; Netanyahu, em Israel; e Putin, na Rússia.

“Um momento!”, nos diria um(a) prudente intelectual. “Chamar movimentos tão diferentes entre si de ‘populistas’ possuiria alguma valia? Não serão tais palavras meros termos guarda-chuvas usados para o combate político midiático?”. A questão se complica quando lembramos que democracia significa “soberania do povo”. “Ora”, diria um(a) radical democrata, “se o líder dito ‘populista’ apela ao povo, exigindo que a democracia o tenha como protagonista, então devemos elogiá-lo e repudiar quem joga o jogo das elites. Contra os tecnocratas demófobos, sejamos todos populistas!”. Seria bom se problemas reais aceitassem respostas fáceis, mas comecemos por questões difíceis: o que é o populismo? O que os populismos querem dizer a nossas democracias em crise? 

O populismo tem sentidos diferentes, às vezes até inversos, a depender se estamos nos EUA, na Europa, na Rússia ou na América Latina. Sabemos da sua importância na história dos países latino-americanos. Às vezes, ele é visto como um meio de politização das massas e de transformação social em países subdesenvolvidos, com uma liderança carismática em conexão direta com o povo e instituidora de direitos sociais. Outras vezes, ele é associado a uma política econômica irresponsável, que, sem tocar em questões estruturais que viabilizem um desenvolvimento sustentável, gera ciclos com crescimento econômico, distribuição de renda e inclusão social, seguidos de hiperinflação, endividamento, estagnação e desigualdade.  

Não precisamos de muito esforço para perceber a atualidade desta questão entre nós. Mas o que interessa é que, para além de nossas eventuais idiossincrasias, os populismos são uma sombra presente nas democracias contemporâneas. Devemos vê-los como emergindo internamente das democracias enquanto sintoma de mal-estar e expressão de ilusão. A mundialização, a informatização e a revolução cultural borraram as estruturas de classe; minaram os partidos políticos; enfraqueceram os Estados; oligarquizaram as tomadas de decisão; precarizaram o trabalho; e tornaram a sociedade menos legível para os cidadãos. Junto com o aumento das exigências democráticas, veio uma sensação de impotência política e uma crescente desigualdade social e insegurança existencial. O fermento de onde cresce o bolo populista está nessa conjugação entre expectativa aumentada, política tradicional desencantada e sociedade em dolorosa e incerta mutação.

Desse terreno fértil nascem movimentos que possuem uma “lógica populista”, que dá uma resposta simplificadora à crise e que possui efeitos destrutivos para as democracias. Podemos sintetizá-la em dois traços: ela é antipluralista e transforma todas as questões políticas em problemas morais. Para os populistas, o sistema democrático está corrompido radicalmente pelos “políticos”, pelos “poderosos” ou pelos “estrangeiros”. Quando no poder, mesmo que suas políticas sejam falsas, impossíveis de realizar, ou, quando postas em prática, tenham efeitos perversos, ele continua infalível. Qualquer crítica ao governo será acusada de ser contra o povo; qualquer crise instaurada poderá ser um complô secreto. 

O populista pretende ter uma “representação exclusiva” do povo real e, por isso, trabalha para minar o que pode lhe ser externo: justiça independente, órgãos de controle, Ministério Público, aparelhos policiais, imprensa livre etc. Qualquer ação contrária a seus interesses será posta como contrária ao povo; qualquer posição sobre “imparcialidade” será combatida como elitista. Dos críticos, surgem “fake news”; de si, virão “verdades alternativas”. Mesmo quando pego em atos ilegais, estará imune: se não forem rechaçadas como mentiras espúrias e assumidas como fatos, permanecerá inocente: “pelo povo, tudo vale”. No limite, o governo populista abrirá mão do próprio povo, dizendo representar o “povo real”.

Mas se a lógica populista é perigosa para a democracia, como combatê-la? Começando por escutar o que os populismos têm a nos dizer, lendo-os como sintomas de uma democracia que não vai bem. É inútil combatermos os populismos, defendendo o estado de coisas existente e pedindo que adormeçam os afetos movidos por um radical sentimento de injustiça. A ascensão dos populismos expressa a urgência na reconstrução das democracias. As derivas populistas serão prevenidas caso assumamos, de forma responsável, as tarefas de renovação da questão social e de intensificação da democracia. Contra o circuito perverso de um líder populista, que expropria o cidadão de sua autonomia e o povo de sua multiplicidade, temos que acionar uma imaginação institucional para multiplicar as formas de soberania popular e os modos de participação cidadã, retomando, no mesmo passo, o projeto de uma sociedade fundada na igualdade. 

Link para o Jornal do Brasil:
http://www.jb.com.br/artigo/noticias/2018/05/21/o-que-os-populismos-querem-dizer/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: