Abaixo do asfalto está a praia: reflexões sobre o legado da Escola de Frankfurt, por Seyla Benhabib

Sendo liderado por Alberto Luis Cordeiro de Farias & André Magnelli, o Cartografias passou a ter como locus central o Ateliê de Humanidades e integrou, como co-coordenador, o professor Felipe Maia (UFJF). Iniciamos com grande alegria, agora em 2019, a segunda fase do Cartografias, trazendo a público um novo projeto, o nosso primeiro livro e uma série de publicações no Cadernos do Ateliê. Como estreia, publicamos no primeiro fascículo, o excelente texto de uma das principais teóricas da atualidade, Seyla Benhabib (Universidade de Yale). Agradecemos fortemente à Benhabib e à Boston Review por pela gentil autorização da publicação.

Manifesto por uma Slow Science

Quando tudo parece necessário e inevitável, sempre surgem aqueles que nos lembram que somos, antes de tudo, seres capazes de agir e de (nos) renovar. Sempre que possível, o Ateliê fará circular, difundir e repercutir importantes manifestações culturais e intelectuais feitas em defesa do tempo próprio. De partida, trazemos uma tradução do importante Manifesto da Slow Science, publicado em 2010 pela Slow Science Academy, situada em Berlim, Alemanha.

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: