Projeto – A inocência infantil como potência do falso: platôs entre a fábula de Platão e a criança de Nietzsche

Pesquisador

Aldo Antônio Tavares do Nascimento

Tutoria

André Magnelli

Apresentação

Antes do final do século XIX, a filosofia, por duas vezes, pensou a relação entre a criança e a imitação: Platão permitiu que a fábula nobre formasse passivamente a imaginação da criança; e, após 22 séculos, a filosofia nietzschiana acolheu a criança para que ela criasse. O presente projeto de pesquisa tem por objetivo investigar as fábulas nobre e falsa de Platão e a criança em Nietzsche. Toda pesquisa traz dentro de si questões que carecem de respostas e, assim sendo, as perguntas que movem toda a nossa pesquisa são: o que representa a fábula nobre na pólis e por que ela educa a criança? Qual relação entre a fábula falsa e a criança em Nietzsche? Essas duas fábulas são duas formas distintas de brincar? Será que, por causa da fábula falsa, que Platão nega à infância, Nietzsche retoma a criança na filosofia?

Para nós, a questão da fábula na obra política de Platão é problemática na medida em que a distância entre a criança e a política predomina na filosofia, por estar consagrada a imagem da política como prática séria dos homens. Ainda assim, pretendemos estudar dois momentos da história da filosofia: um é quando em Platão a criança contempla a fábula nobre; e outro, quando em Nietzsche a criança brinca de fábula falsa.

Para dar conta desse problema, adotaremos a estratégia de tentar esclarecer a razão de a política ser prática séria. A pesquisa se divide em quatro partes:

A primeira parte, de cunho sistemático, se divide da seguinte maneira: (a) justificação conceitual da relação entre a fábula nobre e o ser, (b) justificação conceitual da relação entre a fábula falsa e o erro como lugar ontológico do vago e (c) distinção entre os conceitos fábula nobre e fábula falsa.

A segunda parte consiste em procurar entender a criança em Platão e em Nietzsche. Assim, convém responder a estas questões: o que é a criança em Platão? Qual o sentido da criança em Nietzsche? Que relação há entre a criança e o real em Platão? Esta etapa nos ajudará a entender melhor a criança em A república, em As leis e em Assim falou Zaratustra. Para isso, recorreremos a outros pensadores, como Walter Benjamin, Giorgio Agamben, René Schérer, Gilles Deleuze.

A terceira parte visa investigar o conceito de brincar na política de Platão para entender que o ato de brincar pode estar presente na obra O príncipe, de Maquiavel, o que implica responder a esta pergunta: o leão e a raposa são representações da fábula nobre de Platão? Caso respondamos, mostraremos que na aparência séria da prática política dos homens oculta-se uma forma de brincar.

O último passo será o desenvolvimento e fundamentação de nossa própria proposta de solução. A leitura de Vontade de poder será detalhada. Tentaremos aprofundar o confronto entre Platão e Nietzsche, bem como propor a inocência como potência do falso, de modo que tal confronto nos auxilie a oferecer uma resposta satisfatória à filosofia.

Natureza

Projeto individual de pesquisa

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: