Pontos de Leitura. Quando um intelectual solitário se encontra com massas inseguras, por Karl Mannheim

Os aspectos mórbidos de um estado de permanente descompromisso [com o mundo por parte de intelectuais] são evidentes. [Diferentemente de intelectuais inteiramente descompromissados], quem se defronta com as consequências diárias de suas ações acaba por adquirir hábitos pragmáticos e uma visão crítica dentro dos limites de sua prática profissional. O intelectual [completamente descompromissado] escapa destas restrições. Nada se opõe a que ele examine as crises de uma perspectiva ampla ou se coloque num nível de abstração sem consequências. Ideias promissoras tornam-se fins em si e fonte de intoxicação solitária. O pensador imune à refutação pelos fatos tende a esquecer-se da principal finalidade do pensamento: saber e prever para agir. A ideação livre e desenfreada leva às vezes a ilusões de grandeza, pois a mera habilidade de comunicar ideias sobre questões aborrecidas assemelha-se sedutoramente à capacidade de dominá-las.

Em geral, as confabulações intelectuais pessoais dos indivíduos reclusos não causam comoções, mas em tempos de crise o êxtase intelectual pode cair em solo fértil. Massas sequiosas de segurança às vezes seguem um xamã cujo discurso sugere onipotência. É nesse ponto que as expectativas de uma massa insegura e o êxtase de intelectuais solitários podem se encontrar.

Karl Mannheim

O problema da “intelligentsia”. In: Sociologia da cultura (São Paulo: Perspectiva)

Achado de André Magnelli

Imagem em destaque: Selçuk, origem não identificada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: